Casa Created with Sketch.

Maximalismo na decoração: 35 dicas de como usar

O estilo é o completo oposto do termo "menos é mais", muito utilizado pelos apreciadores do minimalismo

 (Lonny/Reprodução)

Enquanto encontramos diversos espaços clean e minimalistas, onde apenas o essencial pode ser exibido na decoração, também temos o oposto, que prioriza o exagero e a sobreposição.

O estilo maximalista foi muito incentivado pelo arquiteto Robert Venturi, que utilizava muito a expressão “menos é chato”.  Ao mesmo tempo que o minimalismo atende as necessidades de menos consumo e funcionalidade, o maximalismo traz um modelo voltado para personalidade e diversão. Entenda mais:

 

 (Reprodução/Pinterest)

O que é maximalismo

O que é maximalismo? O estilo envolve uma liberdade criativa, onde existe permissão para misturar tendências e personalizar o espaço de uma forma original. A decoração maximalista é barulhenta, composta de diversos padrões, coleções extensas, paletas ousadas, repetição, detalhes gráficos e peças únicas – infinitas possibilidades.

 (Reprodução/Pinterest)

Ela incentiva a utilização dos cômodos da maneira mais ousada possível, focando em formas, tons e texturas para produzir uma casa extravagante. E o que o torna muito popular é a sua necessidade de expor a personalidade do morador.

Aqui está a sua chance de ocupar superfícies vazias e expressar tudo o que sempre sonhou. Sabe aquela coleção de cartões postais, artesanatos, tapetes ou que quer que seja, que em um estilo minimalista você seria obrigado a esconder em algum armazenamento, pois não é visto como necessário? É no maximalismo que eles recebem uma calorosa boas-vindas.

 (Reprodução/Pinterest)

Construa composições inesperadas, use e abuse da liberdade de criação. Junte o tradicional com o moderno, elegante com simples e crie o seu próprio mundo. Contar histórias através do design, onde cada item na decoração tem um significado, e entregar diversas experiências é o que faz o maximalismo um modelo extraordinário.

Minimalismo x maximalismo

 

 (Reprodução/Pinterest)

Minimalismo

O próprio nome já dá um spoiler da sua essência: no minimalismo deve se usar apenas o básico, sem excessos. Ambiente claros, abertos, muito armazenamento, mobília funcional, plantas e poucos acessórios são as suas particularidades. O estilo preza qualidade ao invés de quantidade, apostando em linhas retas e cores sóbrias.

Maximalismo

O maximalismo tem como objetivo contrariar as inúmeras regras presentes nas tendências de decoração mais populares. Ele manifesta o eclético e a história no planejamento, trazendo com força um fator pessoal que raramente está presente no minimalismo. Sendo assim, é de sua natureza mostrar o quão complexos os seres humanos podem ser.

Vantagens e desvantagens de adotar o estilo

 

 (Reprodução/Twitter)

Vantagens

Quem nunca buscou transformar o lar em um refúgio para o bem-estar? Um local onde você se sente bem e confortável?

É exatamente isso que a decoração maximalista traz, um aconchego e acolhimento, pois onde mais você se sentiria assim se não em um espaço que mostra a sua história e personalidade? Nele, não é necessário fazer mudanças de acordo com o mercado, pois engloba tudo, sendo considerado atemporal.

 (Reprodução/Pinterest)

Desvantagens

O investimento acaba sendo maior, de tempo e financeiro. Para produzir a melhor decoração maximalista é importante começar devagar. Adicione algumas cores, padrões e elementos sentimentais para adornar. Evite acessórios em quantidades enormes.

Insira alguns livros, almofadas e plantas – um de cada vez. E, sempre que conseguir, tente, com algum item, criar um senso de ordem – uma estante de livro é uma ótima ideia para isso. As compras também pode ser um problema, como o maximalismo demanda muitos objetos, e podem sair mais caras – até porque existe uma preferência por uma peça clássica e duradoura.

Além disso, o estilo exige um risco – com o exagero de padrões e cores -, podendo causar uma insegurança naqueles que estão começando a se aventurar na decoração agora.

Veja também

Como usar o maximalismo na hora de decorar

 

 (Reprodução/Pinterest)

Não ter regras pode ser um pouco confuso, afinal, como saber o que incluir na sua casa?

Adotar o excesso não significa ter um ambiente pesado e bagunçado, o projeto de decoração maximalista pede uma curadoria, um cuidado, bom gosto, dosagem e complementação. Troque um cômodo com tons de branco e cinza por um repleto de cores, texturas e brilho. Aproveite e entregue ainda mais dimensão, por meio de peças, técnicas, descombinações e objetos.

A decoração maximalista não foca apenas nas inúmeras misturas, mas também nos itens selecionados. Logo, se você gosta de tonalidades neutras, também pode utilizar o estilo para criar um espaço monocromático e maximalista.

 (Reprodução/Pinterest)

Criatividade

Deixe a sua imaginação fluir seguindo o seu desejo, formando um ambiente aconchegante e que conecte com você.

Combinar tendências – como clássico, gótico, moderno, industrial e barroco – é possível e até essencial.  Acrescente um contraste com a geometria de azulejos e tijolos coloridos e padronizados. Os interiores devem ser cobertos do chão ao teto, explorando formas desiguais. As composições mostram linhas arquitetônicas que trazem harmonia.

 (Reprodução/Pinterest)

Parede

As paredes podem ser neutras ou chamativas. No caso da primeira alternativa, posicione quadros e outros objetos chamativos, como nichos e flâmulas. Já no segundo, você pode optar por papéis de parede com cores fortes ou estampas – os florais podem ser adicionados nas paredes e pisos.

Uma terceira opção, e também um equilíbrio entre os dois, é o revestimento cerâmico – que garante um acabamento com efeitos.

 (Reprodução/Pinterest)

Cores

Não é necessário trabalhar apenas com uma paleta. Faça uma mistura com as paredes, móveis e objetos. Traga vida e ousadia para a sua casa! Vermelho, laranja e amarelo são os mais escolhidos. Junte isso com texturas, formas, estampas e itens grandes – oferecendo sempre uma explosão de sensações. Se preferir, utilize cores complementares.

 (Reprodução/Pinterest)

Itens decorativos

Tudo pode ser inserido, nunca se limite a uma só tendência: plantas e flores de diferentes tamanhos em recipientes estilosos; quadros; peças geométricas, clássicas, vintage ou colecionáveis; fotografias; espelhos; relíquias de família; e lembranças de viagens.

Com esculturas, obras de arte, vime, cerâmicas e elementos barrocos, você abraça diferentes épocas da arquitetura e decoração, transformando a sua casa em um antiquário. Para uma dose de fantasia, acrescente formatos de animais.

Acessórios exclusivos, móveis ecléticos – dos redondos aos escandinavos -, cortinas e sobreposição de tapetes são outras particularidades. Não podemos nos esquecer dos momentos de muito impacto, que um mural de parede, letreiro de néon ou uma luminária grande pode oferecer.

Veja inspirações:

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.