Decoração para tretar: uma análise da influência da casa no BBB

Descubra o significado do design escolhido para cada cômodo e como incluí-lo na sua residência

Por Luiza Cesar Atualizado em 27 jan 2022, 18h38 - Publicado em 27 jan 2022, 19h00
Gshow/Reprodução

Por se tratar de um reality que demanda estratégia, psicológico e resistência, tudo que faz parte do BBB possui um propósito por trás: as músicas que tocam nos cômodos; os dias de prova e festa; dinâmicas para causar confrontos e a falta de cama e comida.

Então, não é à toa que os quartos e a casa em si também estejam envolvidos nesse cálculo para tornar os confinados mais vulneráveis. Os cenários influenciam diretamente no psicológico e, este ano, quem toca o terror são as diversas cores e tons neons.

Uol/Reprodução

Para entendermos melhor o planejamento do design da casa, o próprio jogo e alguns comportamentos (quando se trata de briga e caos, não podemos nos esquecer do BBB21), o arquiteto Leandro Rhiaff analisou e explicou como as tendências conseguem interferir na dinâmica da competição e se existe espaço para incluir algumas referências na sua própria residência.

Qual o objetivo da decoração?

 

Seguindo a mesma linha do BBB 21, com cômodos multicoloridos, o BBB 22 apresenta um toque cringe com toques das décadas de 70, 80 e 90. As cores vibrantes e neons tornam alguns cômodos muito chamativos, principalmente a sala e os quartos.

Leandro afirma que o projeto propõe mostrar identidade e dividir os grupos. Afinal, quem assistiria um reality em que todos os participantes ficam desfrutando de conforto e paz, né?

Gshow/Reprodução

“Há símbolos, aromas e formas que nos remetem a lembranças, estimulam sensações e até emoções específicas. Dificilmente teremos algum dia uma edição com em tons pastel ou monocromáticos”, explica o especialista. Um exemplo disso são os itens que lembram filmes, programas de TV, videogames clássicos, máquinas de fliperama, jukebox e o estilo pop e rock.

Gshow/Reprodução

“As emoções à flor da pele e os estímulos precisam existir para que o dia a dia dos participantes seja agitado e cheio de acontecimentos. O uso das cores e objetos diferentes desempenha essa função. Preto, vermelho, amarelo, laranja, marrom e alguns tons de verde mais amarelados são a chave para agitar os ânimos”, ele afirma.

Cômodo por cômodo

 

Olhando cômodo por cômodo conseguimos perceber a diferença entre eles e o propósito de cada um.

Sala

 

Na sala, as cores fortes – como o carpete que ocupa quase todo o ambiente foram – foram utilizadas especificamente para gerar conflitos e diálogos acalorados. Por receber as votações e o jogo da discórdia, abre espaço para declarações polêmicas, principalmente para o ao vivo. Dificilmente este será um ambiente pacífico, uma vez que os tons selecionados elevam os ânimos.

Veja também

Quartos

 

Sergio Zalis/Globo
Continua após a publicidade

Os quartos também deram o que falar, com o primeiro bem colorido e cheio de emojis e o segundo com tonalidades mais sóbrias, terrosas e padrões xadrez. Se você acha que a personalidade dos participantes não reflete em nada no design escolhido, está muito enganado. O projeto tem a ver com a intenção e o elenco.

Reprodução/Globo

Os que escolheram o quarto com o estilo mais rock são pessoas mais polêmicas, sérias e jogadoras – como a Natália, Naiara e o Douglas – que se mostra super focado no jogo.

Reprodução/Globo

Já o outro, com a cara mais fofa, o clima é de distração e muita conversa, o que atraiu pessoas com tendências de formar panelinhas. Assim, o jogo aproxima as pessoas que são mais sociáveis em um ambiente e as mais isoladas, individualistas e jogadoras em outro.

Sergio Zalis/Globo

Mas, existe uma reviravolta, pois o quarto do líder é o completo oposto desses direcionamentos. Os tons de azul e roxo não só oferecem conforto, mas estabilidade.

“É muito claro a escolha da cor, em relação ao quarto do líder, para proporcionar uma experiência de conforto e de certa superioridade. Ali, há uma oportunidade de descanso, relaxamento e de colocar a cabeça no lugar”, conta Leandro.

Cozinha

 

Sergio Zalis/Globo

A configuração também faz parte do planejamento, na cozinha, as tonalidades não foram o foco, apenas a configuração. O objetivo foi utilizar a arquitetura para causar acentuar divisão xepa e vip – colocando as ilhas e bancadas uma na frente da outra.

Esses elementos são tendência?

 

Muitos componentes já foram tendência ao longo dos anos. O neon e outras cores fortes estão voltando para o meio da decoração, mas com um uso mais específico e em itens pontuais – fora das partes fixos, como paredes e carpetes. Porém, a generalização e o over não fazem parte deste grupo.

É ideal usar nos projetos residenciais?

 

Uma casa exatamente igual à do BBB provavelmente não é a melhor opção para seu lar, visto que a maioria das pessoas prefere deixar as tretas para a televisão. Mas, se você gostou do estilo, é possível incorporar alguns elementos na decoração! (papéis de paredes são bastante úteis e fáceis de aplicar)

“O uso de cores extravagantes está em alta, a minha dica é que se opte por estampas proporcionais à área em que será aplicado o papel. Padrões de estampa muito grandes em áreas muito pequenas ou pequenos padrões em áreas muito grandes geram desconforto visual. A percepção do olho humano sob todos os desenhos pequenos é de diminuição. Se a intenção for de ampliar, as cores precisam ser mais sóbrias e é preciso evitar textura”, esclarece o arquiteto.

Sergio Zalis/Globo

Qual a sua intenção com o cômodo planejado? Descansar e dormir? Fique de fora do design escolhido pela equipe do BBB, pois você não conseguirá relaxar. Deixe os elementos mais extravagantes para a casa mais vigiada do Brasil mesmo ou para criar locais instagramáveis e para bater um bom papo com os amigos.

A dica é: pegue pequenos itens que você gostou e inclua em seu lar sem causar uma poluição visual.

Continua após a publicidade

Publicidade