Esta máscara é feita de células de avestruz e brilha quando detecta Covid

A criação ajuda as pessoas a detectar e prevenir rapidamente a propagação do vírus a um baixo custo

Por Redação Atualizado em 31 jan 2022, 13h39 - Publicado em 31 jan 2022, 19h00
Reprodução/Dezeen

Cientistas da Universidade de Kyoto desenvolveram uma máscara facial feita com anticorpos de avestruz que brilha sob luz ultravioleta quando o coronavírus está presente. Sendo mais fácil de detectar e prevenir rapidamente a propagação com um custo baixo.

Um filtro removível colocado na máscara brilha quando exposto ao Covid-19, após ser pulverizado com um líquido químico e exposto a luzes ultravioleta. A eficiência da detecção foi confirmada em um ensaio clínico em que os participantes do teste usaram as máscaras por oito horas.

Yasuhiro Tsukamoto, líder do grupo de pesquisa da universidade, disse a Dezeen que teve a ideia depois de perceber que os avestruzes são altamente resistentes a doenças graças ao seu forte sistema imunológico. Isso o levou a começar a pesquisar anticorpos de avestruz.

Reprodução/Dezeen

“Os avestruzes raramente morrem de sujeira, ferimentos leves ou doenças, e vivem por sessenta anos. Percebi que o segredo da longevidade é que eles são resistentes a doenças infecciosas com sua incrível imunidade e resiliência, então comecei a pesquisar seriamente os anticorpos de avestruz”, disse Tsukamoto.

Veja também

Para criar anticorpos contra o coronavírus no avestruz, os cientistas injetaram nas aves uma proteína de pico do vírus. Eles então extraíram o material da gema dos ovos das aves e os ligaram aos filtros da máscara usando ácido polilático.

Os anticorpos em pesquisas científicas são mais comumente produzidos a partir de animais menores, como coelhos ou camundongos, mas podem custar milhões de dólares por grama.

Por outro lado, os anticorpos retirados de ovos de avestruz custam menos e podem ser coletados em um curto período, cerca de duas semanas. Tsukamoto argumenta que isso torna as máscaras uma opção de produção mais viável, o que pode ajudar mais pessoas a detectar e prevenir o coronavírus.

Continua após a publicidade

Reprodução/Dezeen

“Se a infecção pelo vírus pode ser detectada colocando um filtro bucal com um anticorpo de avestruz em uma ‘máscara descartável’ que é usada todos os dias no mundo, as pessoas infectadas não sintomáticas, podem ser tratadas voluntariamente em um estágio inicial. É um dispositivo prático e barato que impede a invasão do vírus Covid-19 no corpo humano”, acrescentou.

Ele também espera que a mesma técnica possa ser aplicada a outros vírus, como o da gripe.

Atualmente, o coronavírus só pode ser visto na máscara quando ela é tratada com um líquido e colocada sob luz ultravioleta. No entanto, os cientistas planejam desenvolver máscaras que brilham sob a luz de um telefone.

Eles já registraram um pedido de patente para a máscara facial e planejam disponibilizá-los no final do ano. Desde o início da pandemia, designers usaram ciência e tecnologia na corrida para conter a propagação do vírus.

A empresa de tecnologia NS Nanotech desenvolveu uma gama de chips emissores de ultravioleta que podem neutralizar o coronavírus transportado pelo ar em edifícios, veículos e até mesmo no exterior.

A empresa de fabricação avançada OPT Industries produziu um cotonete médico que visa melhorar os testes clínicos durante a pandemia de Covid-19. O novo produto é capaz de absorver um nível mais alto de líquido do que os comuns, o que proporciona uma maior concentração de amostra necessária para um melhor diagnóstico.

*Via Dezeen

Continua após a publicidade

Publicidade