Descubra 4000 anos de evolução dos jardins!

A configuração dos jardins mudou drasticamente ao longo dos tempos. Confira todas as características do paisagismo divididas de acordo com as eras:

Por Redação Atualizado em 21 abr 2022, 21h24 - Publicado em 23 abr 2022, 13h00

A história do paisagismo não começa com um lápis ou uma mangueira, mas sim com o fogo. Os “planejadores” pré-históricos utilizavam chamas para limpar o espaço, prevenir incêndios florestais e estimular o crescimento de plantas.

400.000 anos depois, já no século 18, ricos proprietários de terras contratavam pessoas como “eremitas ornamentais” para seus extensos jardins. Para eles, um jardim era um símbolo de riqueza e exclusividade, e a presença de um verdadeiro eremita dava um toque de selvageria e romance àquela terra cada vez mais cultivada – ao mesmo tempo em que chamava a atenção para a extensão do jardim.

Em algum lugar nesse meio tempo, o paisagismo saiu da agricultura rudimentar para se tornar uma arte refinada. Mas foi apenas no século passado que o aumento da renda, do tempo livre e da vida suburbana tornaram o jardim projetado uma característica comum das casas ocidentais.

Em teoria, temos 400.000 anos de inspiração para incluir no projeto do nosso jardim. Mas a verdade é que os primeiros planos detalhados de jardins só apareceram por volta de 1400 a.C., no Egito Antigo.

Ainda assim, há muito o que considerar na hora de realizar o nosso projeto paisagístico. Por isso, a HouseholdQuotes identificou 10 eras-chave na evolução do design de jardins – e as visualizou como uma série de renderizações 3D detalhadas para ajudá-lo a projetar seu espaço. Fique tranquilo, nenhum lança-chamas será necessário! Confira:

1400 aC: Jardim Doméstico (Era Egípcia Antiga)

Jardim egípicio
HouseHoldQuotes/Reprodução

O jardim egípcio da antiguidade é inspirado no mais antigo plano de jardim conhecido do mundo: uma pintura das paredes de um nobre na época do faraó Amenhotep II. No entanto, de tão sofisticado, o plano provavelmente é um estilo que se desenvolveu ao longo de anos ou mesmo séculos.

jardim egípicio
HouseHoldQuotes/Casa.com.br

O jardim egípcio era um oásis. Fornecia sombra e ordenava cuidadosamente a beleza natural em uma terra árida. Mas também era um refúgio espiritual, pontilhado de padrões simbólicos e árvores, incluindo olíbanos e figueiras.

A geometria arrojada do jardim egípcio valorizava tanto a praticidade quanto a estética. Além do prazer, os jardins eram cultivados para prover os ingredientes crus da vida cotidiana – de ervas e especiarias a papiros e palmeiras que ofereciam sombra e frutas.

Já os recursos de água foram posicionados precisamente para ajudar na irrigação.

400 a.C. a 550 d.C.: Pátio Greco-Romano (Era Clássica)

Jardim clássico
HouseHoldQuotes/Reprodução

As cidades muradas da Grécia e Roma Antigas deixavam pouco espaço para jardins – apenas os ricos tinham espaço para um pequeno pátio no centro de sua casa. O pórtico coberto ao redor da borda do jardim é chamado de peristilo e oferece abrigo entre paredes. Já as colunas jônicas que formam a colunata são inspiradas nas da Casa das Capitais Coloridas de Pompéia.

Jardim clássico
HouseHoldQuotes/Reprodução

Arquitetos gregos e romanos projetaram esses jardins urbanos para escapismo e entretenimento. Eles definiam áreas de jantar e utilizavam estátuas e fontes sofisticadas para impressionar as visitas. Além de oferecer privacidade, as paredes altas regulavam o clima para uso durante todo o ano.

Apesar de não parecer, nem tudo era tudo pedra e água. Canteiros de ervas e flores ostentavam rosas, violetas, açafrão, tomilho, calêndulas e narcisos, oferecendo aromas e cores frescas – embora essas áreas também fossem valorizadas com estátuas e fontes de água.

500 a.C. a 1700 d.C.: Chahar Bagh/Jardim do Prazer (Era Indo-Persa)

Jardim Persa
HouseHoldQuotes/Reprodução

“O chahar bagh era mais do que um jardim de prazer”, disse Agacão IV em um discurso de 2003. “Na disciplina e ordem de sua geometria paisagística, suas piscinas octogonais ou retangulares, sua seleção de plantas e árvores favoritas, foi uma tentativa de criar uma perfeição transcendente – um vislumbre do paraíso na terra”.

De acordo com o Alcorão, o paraíso será um lugar de águas, flores e árvores frutíferas fluidas e incorruptíveis. Na Terra, o jardim Chahar Bagh celebrou a beleza natural ao mesmo tempo em que reconhecia as imperfeições da vida. Ainda assim, os designers costumavam dividir os quatro quadrantes do jardim com água corrente para representar os quatro rios do paraíso.

Jardim Persa
HouseHoldQuotes/Reprodução

Um túnel subterrâneo inclinado chamado Qanat era usado para irrigar jardins em regiões áridas, enquanto tapetes bordados com flores realçavam áreas onde nada crescia. Nas áreas verdejantes, as rosas eram proeminentes, apoiadas por flores de bulbo, violetas, papoulas e arbustos floridos.

O pavilhão no eixo central enfatiza a simetria e o artesanato do jardim. A influência do design do jardim persa ainda é sentida hoje, através das tradições islâmicas e depois pela Grécia, graças às impressões feitas em Alexandre, o Grande, quando ele invadiu e conquistou a região.

1000 a 1450: Jardim da Cidade (Era Medieval)

Jardim medieval
HouseHoldQuotes/Reprodução

À medida que a cidade medieval se desenvolvia, ainda havia espaço para os moradores da cidade cultivarem um jardim. A insegurança alimentar contínua tornou as “hortas domésticas” comuns. Enquanto isso, os médicos prescreviam o perfume das flores para afastar a praga e recomendaram passeios no jardim para a saúde mental. Por isso, os jardins ornamentais floresceram apenas em hospitais e casas ricas.

Outra diferença fundamental entre os jardins regulares da cidade e os dos ricos era o recinto. Enquanto os jardins mais pobres eram muitas vezes ao lado da rua, os jardins mais ricos eram fechados com segurança – seguindo o exemplo dos jardins do mosteiro e do castelo de onde eles se inspiraram.

jardim medieval
HouseHoldQuotes/Reprodução

Ainda inspirados no renascimento na Itália, os jardins europeus foram desenhados com maior regularidade de forma, adotando fileiras e quadrantes simétricos.

O jardim como símbolo de status floresceu, assim como a superioridade entre os horticultores que buscavam flores mais finas e raras para seus jardins ornamentais. Rosas, lírios e violetas tornaram-se comuns.

Quando a tulipa chegou à Europa, a especulação sobre o valor dos bulbos levou à “mania das tulipas” e – talvez – à “primeira grande bolha financeira”. Um jardineiro holandês até projetou uma rede de espelhos cuidadosamente posicionados para dar a impressão de uma coleção maior (e, portanto, maior riqueza).

Início dos anos 1600: Jardim de nós (Era Tudor)

Jardim Tudor
HouseHoldQuotes/Reprodução

Os designers Tudor teceram influências medievais e renascentistas da Itália em jardins impressionantemente complexos. O jardim de nós começou nos tempos medievais como uma maneira prática de dividir hortas com padrões entrelaçados de ervas. Sob Henrique VIII e, mais tarde, Elizabeth I, a cerca viva tornou-se uma característica ornamental a ser admirada por si só.

As sebes nodosas dos jardins ornamentais muitas vezes mergulhavam nas “junções” para dar a impressão de que realmente se entrelaçavam. Isso pode ser um trabalho árduo, mas, uma vez estabelecidos, essas cercas são de manutenção relativamente baixa. Os jardineiros podiam preencher as cavidades entre os nós com ervas e flores extravagantes: flores, cravos, violetas, malmequeres e rosas eram populares nos tempos Tudor.

Jardim Tudor
HouseHoldQuotes/Reprodução

Os jardins Tudor eram grandes atrações. Um jardim de nós pode ter sido apenas uma característica de uma rede de tipos de jardins murados, incluindo labirintos e tanques de peixes.

Continua após a publicidade

Este tipo de jardim funciona melhor quando os visitantes podem ter uma visão aérea. Os designers elisabetanos preferiam uma montagem de caracol, consistindo em um caminho inclinado que subia em espiral até um pavilhão ou lugar para sentar.

1600: Jardin à la Française/Jardim Formal Francês

Jardim Francês
HouseHoldQuotes/Reprodução

Os Jardins de Versaille são uma das poucas “celebridades internacionais” no mundo da jardinagem – e eles exemplificam o tipo de jardim formal francês, cuja enorme influência na Europa do século XVII continua a reverberar hoje.

Versaille e seus contemporâneos foram feitos hortícolas de ponta que exigiam um enorme esforço de trabalho. A própria árvore Versaille continua precisando ser replantada uma vez a cada século.

Jardim Francês
HouseHoldQuotes/Reprodução

Mas tudo isso não coloca o estilo fora do alcance do jardineiro médio do século XXI. Versalhes é uma expansão da unidade de jardim conhecida como parterre: um jardim formal dividido em padrões por cascalho, cobertura e canteiros de flores.

Aqueles com tempo e imaginação podem reduzir o estilo e substituir elementos por recursos que exigem menos manutenção. Além de plantas ricamente perfumadas, incluindo lavanda e alecrim, o jardim formal francês pode apresentar árvores como faia, castanheiro e tília.

A variação inglesa do Jardin à la Française foi inspirada nos padrões de bordados. Este parterre à l’anglaise transplantou os padrões do jardim francês para um gramado, suavizando o efeito e entregando um espectro de cores florais. As características da água e as estátuas são populares em todas as variações.

Início de 1800: Estilo Gardenesque (Geórgia)

Jardim gardenesque
HouseHoldQuotes/Reprodução

O célebre designer de jardins John Claudius Loudon concebeu o estilo gardenesque como arte elevada, que, ao mesmo tempo, retirava a responsabilidade do projeto dos arquitetos e a passava para os jardineiros.

Loudon proclamou que “qualquer criação, para ser reconhecida como uma obra de arte, deve ser tal que nunca possa ser confundida com uma obra da natureza” – e, no entanto, sua filosofia de jardinagem exigia que as plantas pudessem expressar sua singularidade natural.

As árvores de um paisagismo gardenesque devem ser segregadas por tipo, mas o arranjo não deve ser geométrico ou repetitivo. Além disso, a flora deve ser exposta por prazer e educação, sem ser “pitoresca” (ou kitsch, como diríamos hoje). Em suma, o estilo gardenesque é assolado por contradições.

Jardim gardenesque
HouseHoldQuotes/Reprodução

A solução de Loudon para essas contradições? Em primeiro lugar, importar flores exóticas que celebrem plenamente a natureza ao mesmo tempo em que não são naturais (e, portanto, artísticas) em um jardim inglês. E, em segundo lugar, planejar o design em uma estrutura “escondida” de formas geométricas irregulares de espécies agrupadas.

O resultado foi um jardim envolvente e dramático. Infelizmente, os princípios do estilo gardenesque são difíceis de replicar, pois envolvem a troca até de gramíneas locais por outras exóticas e criação de lagos e grandes rochas que parecem artificiais, substituindo a vegetação circundante por atacado.

1800: início do período americano – Jardim de cozinha pioneiro

Jardim americano
HouseHoldQuotes/Reprodução

A estética era a última coisa na mente dos jardineiros pioneiros de cozinha. Como invasores de uma terra estranha, a horta era uma fonte vital de sustento. O jardim foi então projetado com foco na eficiência: perto da porta para acesso e segurança, com caminhos perimetrais para colheita em vez de admirar os canteiros. As cercas mantinham os catadores de fora.

Mas havia beleza nessa economia. Ervas aromáticas eram plantadas mais perto da casa, com cebolas e repolhos cultivados à distância. Surgiram padrões onde os vegetais sazonais cresciam próximos uns dos outros para evitar a perturbação de plantas perenes que poderiam ser deixadas sozinhas.

Jardim americano
HouseHoldQuotes/Reprodução

Seguindo uma dica da tradição nativa americana, os colonos plantavam milho, feijão e abóbora juntos. Essas três culturas forneceram suporte de treliça, nitrogênio para um crescimento saudável e regulação de luz e temperatura, respectivamente.

Árvores frutíferas, algodão e plantas medicinais também eram cultivadas, mas flores não eram prioridade. Os colonos aprenderam lições que prevalecem hoje: ouvir a terra e encontrar beleza e estrutura no funcionamento da natureza.

1870 a 1920: Jardim de Artes e Ofícios (Eras Vitoriana e Modernista)

jardim vitoriano
HouseHoldQuotes/Reprodução

O movimento de Artes e Ofícios valorizava a autenticidade e uma abordagem prática. A sua manifestação no jardim não foi diferente. Como o estilo gardenesque antes dele, este jardim protestava contra a ornamentação kitsch – mas agora, a fidelidade ao local era primordial.

De região para região, isso significava o uso de plantas e materiais indígenas. De casa à casa vizinha, significava celebrar nuances entre as características arquitetônicas e ambientais das propriedades circundantes.

jardim vitoriano
HouseHoldQuotes/Reprodução

O jardim de artes e ofícios deve expressar a personalidade de seus proprietários. Começa como uma extensão da casa e depois se mistura à paisagem além do terreno, seguindo para a floresta ou o campo. As texturas e cores naturais dos materiais utilizados nos elementos construídos do jardim deveriam ser expostas, e o toque do artesão poderia ser visível nas pedras irregulares do drywall ou na treliça torta.

O visual pode ser aproximado e modernizado hoje com materiais da moda, como vime e ardósia, e o uso de videiras e árvores frutíferas. Mas para realmente se aproximar de um jardim de artes e ofícios “moderno”, comece retirando as características do seu jardim e olhando para a ecologia e história local em busca de inspiração artística.

De 1900 até hoje: gramado suburbano (era contemporânea)

Jardim contemporâneo
HouseHoldQuotes/Reprodução

É um clássico moderno: o gramado americano, grande conhecido dos romances de Fitzgerald e dos filmes de David Lynch. O gramado é o mais simples dos jardins, mas um símbolo de status complexo que representa a colonização ou a conquista da classe média, dependendo de sua perspectiva.

No início, o gramado era uma questão de sobrevivência: os colonos mandavam sementes de capim não-indígenas para reabastecer a terra depois que o gado comia o que encontrava. Mas depois da Revolução Americana, à medida que a segurança alimentar melhorou, os colonos abraçaram as influências europeias. O gramado foi concebido então como uma propriedade rural em miniatura – uma paisagem fechada e bem cuidada com espaço para passear.

jardim contemporâneo
HouseHoldQuotes/Reprodução

Deixando de lado a manutenção do gramado, a arte do jardim americano é encontrada em seus elementos práticos: um caminho sinuoso que oferece vistas variadas da casa e da paisagem circundante, aquela cerca branca e a árvore frondosa. Escolher um cornizo, magnólia ou bordo de açúcar adiciona narrativa à frente de sua casa, mudando com as estações.

Hoje, o sistema de irrigação e o jardineiro contratado do gramado americano funcionam na mesma linha dos eremitas ornamentais mencionados na introdução – eles são como móveis de jardim, indicando a escala indisciplinada da terra e a riqueza do proprietário.

Mas, com milhares de anos de inspiração de design de jardim para desenhar, você certamente inventará maneiras mais exclusivas de trazer o melhor para sua casa.

*Via HouseHoldQuotes

Continua após a publicidade

Publicidade