Casa em SP tem área social no piso superior para apreciar pôr do sol

Ao inverter padrões tradicionais, os quartos (no térreo) ganharam mais privacidade e as áreas de convivência (pavimento superior), um fim de tarde incrível

Por Giuliana Capello Atualizado em 6 abr 2022, 12h48 - Publicado em 6 abr 2022, 19h00
Vista aérea mostra casa com grande varanda e sala de estar no piso superior, em meio à paisagem urbana com bastante vegetação ao redor.
João Morgado/ArchDaily

Um dos lugares preferidos dos paulistanos para contemplar o entardecer na metrópole é a famosa Praça do Pôr do Sol, em Pinheiros. Vizinha à praça, esta casa não podia deixar de lado este privilégio urbano. Assim, o projeto do escritório ARKITITO Arquitetura precisou inverter alguns padrões de moradias tradicionais.

Criada para uma família composta por um casal e duas filhas, a Casa do Pôr do Sol destina os quartos no andar de baixo e as áreas de convivência no pavimento superior.

Escada branca em primeiro plano mostra parte do piso inferior com hall amplo e algumas portas e, no piso superior, uma sala de estar com forro de madeira.
João Morgado/ArchDaily

Desta forma, os moradores conseguem mais privacidade nas áreas íntimas. De quebra, a vista para um fim de tarde incrível nos ambientes de maior interação – que têm a fachada voltada para o Oeste.

Sala de estar ampla com painéis de vidro recebe luz do sol ao entardecer.
João Morgado/ArchDaily
Continua após a publicidade

Conforto ambiental e sustentabilidade

Uma combinação inteligente de soluções passivas garante à residência níveis altos de conforto térmico e acústico sem consumo energético. Primeiramente, a inclinação da cobertura da casa foi definida para ampliar a incidência de luz natural no inverno e proteger a sala do excesso de sol no verão.

Varanda externa integrada à sala de estar com rede de descanso e painéis de vidro. Sob a cobertura vê-se forro de madeira que dá cor à casa.
João Morgado/ArchDaily

Além disso, há um entreforro de 30 cm na cobertura que permite fácil ventilação cruzada e estimula a saída do ar quente em sua extremidade mais elevada. Os vidros escolhidos têm alta performance na proteção contra raios UV e reduzem o calor em 70% nos ambientes.

Por fim, o paisagismo também foi incorporado ao rol de soluções para conforto térmico. Como? Uma fileira de bananeiras faz a função de brises verticais naturais nas fachadas dos quartos.

Varanda externa integrada à sala de estar, com piscina e vista para a cidade.
João Morgado/ArchDaily

Com tudo isso, pode-se dizer que a moradia segue premissas das casas mais sustentáveis. Esta mesma postura é percebida também em relação ao uso de água. Isso porque, além de toda a área externa ser drenante, a inclinação da cobertura permite destinar 100% da água das chuvas para uma cisterna de 6 mil litros. Assim, é possível economizar e equilibrar o consumo de água de forma mais ecológica.

Continua após a publicidade

Publicidade