Biofilia: fachada verde traz benefícios a esta casa no Vietnã

Camadas de caixas de concreto para plantas revestem frente e fundo da residência em Ho Chi Minh

Por Giuliana Capello Atualizado em 16 Maio 2022, 11h37 - Publicado em 17 Maio 2022, 19h00
Foto mostra escada interna branca, com parede repleta de caixas de concreto que formam paredes verdes vazadas e cheias de vasos de plantas.
Hiroyuki Oki/ArchDaily

Morar em uma cidade grande e manter contato próximo com a natureza – mesmo em terrenos pequenos – é desejo de muitas pessoas. Pensando nisso, em Ho Chi Minh (antiga Saigon), no Vietnã, a casa Stacking House (algo como “empilhamento verde”, em português) foi projetada e construída com este intuito para um casal e sua mãe.

Historicamente, na cidade (que tem hoje a maior densidade populacional do mundo) os moradores têm o hábito de cultivar plantas em vasos em pátios, nas calçadas e até nas ruas. Detalhe: sempre com grande variedade de espécies tropicais e flores. E o que é a biofilia (“amor à vida”) senão a vontade de estar sempre em conexão com tudo que é vivo?

Foto mostra fachada de casa em terreno estreito, com alguns pavimentos em que se vê caixas de concreto com plantas formando um enorme jardim vertical.
Hiroyuki Oki/ArchDaily

O projeto, do escritório VTN Architects, incorporou camadas de caixas de concreto para plantas (em balanço a partir de duas paredes laterais) nas fachadas da frente e do fundo. Repare que o volume é estreito, construído no terreno de 4 m de largura por 20 m de profundidade.

Foto mostra mais em detalhe as caixas de concreto na cor branca com plantas, que fazem o fechamento de toda a parede da casa.
Hiroyuki Oki/ArchDaily

A distância entre as plantas e a altura das floreiras pode ser ajustada de acordo com a altura da vegetação, variando entre 25 cm e 40 cm. Desta forma, para regar as plantas e facilitar a manutenção, foram utilizados tubos de irrigação automática dentro das floreiras.

Continua após a publicidade

Foto mostra sala de estar com sofá preto de couro e mesa de centro em primeiro plano, com parede externa transparente, composta por caixas de concreto que recebem plantas, formando um grande jardim vertical que permite a entrada de luz natural ao ambiente.
Hiroyuki Oki/ArchDaily

A estrutura da casa é de concreto reforçado, muito comum no país. As divisórias são mínimas para manter a fluidez interior e a visualização das fachadas verdes de todos os cantos da casa.  Ao longo do dia, a luz solar penetra por entre a vegetação de ambas as fachadas. Assim, ela cria belos efeitos nas paredes de granito, compostas por pedras de 2 cm de altura, cuidadosamente empilhadas.

Mais luz e ventilação natural

A casa tem apelo biofílico e estético, que traz mais bem-estar, tranquilidade e conforto aos moradores. Além disso, a fachada verde reforça o caráter bioclimático da casa, já que a protege da luz solar direta e também dos ruídos urbanos e da poluição atmosférica. Neste caso, as plantas funcionam como uma espécie de filtro do barulho e da sujeira da cidade.

Foto mostra quarto de casal com cama sobre piso de madeira e parede da cabeceira em pedra natural na cor bege. A parede lateral é coberta por caixas de concreto com muitas plantas, que formam um jardim vertical que permite entrada de luz natural.
Hiroyuki Oki/ArchDaily

É também graças ao jardim vertical que a ventilação natural se amplia em toda a casa. O mesmo ocorre com a entrada da luz solar, ampliada ainda mais por meio de duas claraboias. Resultado: economia de energia, mais bem-estar e conexão com a natureza, mesmo na cidade grande.

*Via ArchDaily 

 

Continua após a publicidade

Publicidade