Casa Created with Sketch.

Cobogós mantêm casa em São Paulo naturalmente iluminada e bem ventilada

Estrutura genuinamente brasileira foi usada para erguer um painel da casa

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

O cobogó, bloco de cerâmica vazado que completa paredes e muros, foi pensado para permitir uma maior ventilação e luminosidade no clima quente. Sabendo disso, os arquitetos do escritório YTA planejaram a Casa Cobogó, que usou terracotas com desenho de laço para compor a estrutura do painel principal.

A casa, que fica em São Paulo, foi toda construída com materiais simples, como blocos de cimento e armações de aço. A tela decorativa de cobogó foi encaixada nessas armações para construir um ambiente confortável, que permite ao residente trabalhar em casa durante o dia.

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

A residência é composta por duas grandes alas no térreo. Uma delas foi planejada para os filhos do dono e compreende dois quartos, dois banheiros e uma área de lazer, que fica debaixo da escada.

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

A outra área inclui os espaços de família, uma cozinha americana, uma sala de estar e uma de jantar. Do lado de fora, há um pátio livre com vista para o quintal e para a cozinha.

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

A vegetação tropical do exterior foi escolhida pelo proprietário e seu pai, que se considera um “paisagista veterano”.

Já a suíte master fica localizada no nível superior, que é parcialmente suspenso. No mesmo andar, há uma segunda sala de estar e os escritórios de home office.

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

A casa possui ainda um terraço na cobertura, repleto de vegetação, que é acessado pela área de trabalho. A construção espessa desse telhado permite o isolamento das salas de estar e jantar no térreo.

Para contrastar com o concreto e animar os interiores, o mobiliário escolhido conta com muita cor e brilho. Segundo o YTA, foram selecionados pisos de cimento, madeira de carvalho e mármore branco nacional para combinar com verniz fosco verde pálido. Assim, linhas horizontais pontuadas foram criadas e passaram a servir como prateleiras, armários, cabeceiras e balcões.

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

 (Jadiel Tiago/Divulgação)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s