Casa Created with Sketch.

Yayoi Kusama envolve árvores do Jardim Botânico de Nova York com bolinhas

Como parte da exposição Kusama: Cosmic Nature de 2021, as instalações também tomaram conta do lago local

 (Robert Benson/dezeen)

A artista japonesa Yayoi Kusama é famosa pelas suas obras com infinitas bolinhas e, desta vez, seu espaço de trabalho foi o Jardim Botânico de Nova York – EUA. A instalação mostra os elementos espelhados em um lago e cobrindo diversas árvores em torno do espaço.

Chamada de Ascension of Polka Dots on the Trees (Ascensão de Bolinhas nas Árvores, em tradução livre), Kusama usou cordas elásticas e grampos de metal para envolver vários troncos em um tecido de poliéster vermelho cheio de manchas brancas. 

 (Robert Benson/dezeen)

No lago, Narcissus Garden entra em destaque com 1.400 bolas de aço espelhadas – uma das instalações contínuas de Kusama, baseada em uma peça de arte performática que interpretou em 1966. 

 (Robert Benson/dezeen)

Além destas obras, a escultura Dancing Pumpkin –  feita de bronze em formato abstrato, de cinco metros de altura, e que possui oito pernas  – e  I Want to Fly to the Universe – feita de alumínio em uma configuração de estrela – também fazem parte do Jardim Botânico.

Veja também

 (Robert Benson/dezeen)

Os prédios do espaço não ficaram de fora, My Soul Blooms Forever, por exemplo, uma colheita de flores de metal coloridas, que lembram desenhos animados, está presente em uma fonte circular de água sob a cúpula de vidro do Conservatório Enid A Haupt – uma estufa construída em 1902 que está cheia de palmeiras e orquídeas.

 (Robert Benson/dezeen)

Já na Biblioteca Mertz, de 1898, esculturas em formato de tentáculos com padrões constitui a peça de 2015 intitulada Vida

 (Robert Benson/dezeen)

Kusama tem como propósito criar ambientes interativos de ilusão de óptica com espelhos e luzes que geram experiências imersivas sem fim. O Infinity Mirrored Room – Illusion Inside the Heart é uma prova disso, produzido para os jardins botânicos, ele possui vidros que filtram a luz conforme as estações. 

Anteriormente, a artista de 92 anos preencheu um prédio abandonado na Península de Rockaway, em Nova York, com esferas parecidas. 

*Via Dezeen

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.