Casa Created with Sketch.

Casa que acolhe comunidade LGBTQ+ tem sua história contada em livro

Intitulado "Manda as Bicha Descer: Histórias do Cotidiano da Casa 1”, a obra da jornalista Camila Cetrone reforça a importância da ONG

 (Divulgação/Casa.com.br)

Apesar de longo e parecer infindável, este mês de janeiro nos trouxe momentos para aquecer o coração. Nove dias antes do Dia da Visibilidade Trans no Brasil, a jornalista Camila Cetrone lançou seu livro “Manda as Bicha Descer: Histórias do Cotidiano da Casa 1”, sobre o importante centro de apoio a pessoas LGBTQ+ em situação de vulnerabilidade.

Funcionando como república de acolhida, centro cultural e clínica social, a Casa 1 agora tem suas histórias registradas para sempre. Com a pré-venda iniciada no dia 21, a obra chega às lojas inicialmente em formato e-book.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Além de abordar as vivências LGBTQ+ do espaço fundado pelo jornalista e RP Iran Giusti, o material promete narrar o surgimento do projeto e daqueles que trabalham em prol da ONG.

A Casa 1 é considerada um dos primeiros espaços de acolhida inteiramente voltado à população queer e surgiu quando Iran decidiu transformar os quartos de sua residência, até então alugados como Airbnb.

 (Divulgação/Casa.com.br)

“Percebi como era necessária a existência de um espaço capaz de acomodar mais pessoas, em que corpos LGBTs negros e periféricos pudessem ocupar um espaço que fosse aberto para ouvir e falar sobre suas experiências”, diz ele sobre o momento em que notou que muitos de seus hóspedes tinham demandas maiores.

Mantida, majoritariamente, por contribuições mensais de pessoas físicas, a Casa 1 quase fechou suas portas no ano passado por falta de verba. Com o livro de Camila, porém, a instituição receberá metade do lucro da venda da obra.

Criá-la, porém, não foi tão fácil: a jornalista recebeu várias negativas de entrevista para relatar o cotidiano dentro da casa. Mas ela não desistiu e se tornou voluntária na biblioteca do espaço ao longo de 6 meses.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Imersa no ambiente, ela passou a conviver com os moradores do espaço e seu entorno, transformando seu trabalho de observação em livro.

Legal, não é? Se você ficou interessado e deseja adquirir a obra, clique aqui.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.