Estilos e jeitos de usar pufe na decoração

Versáteis, os puffs podem ser usados como mesinha de centro ou lateral, sem perder o valor decorativo

Por Redação Atualizado em 18 abr 2022, 15h32 - Publicado em 18 abr 2022, 19h00
Sala de estar estreita com sofá branco de 3 lugares. A frente dois pufes pequenos, circulares, da mesma cor do sofá.
Neste projeto do Studio Tan-gram os pufes possuem tons bem discretos e parecidos com o tom do sofá. Os moradores possuíam o estilo clean e queriam menos cor na decoração. Na sala, o uso de pufes menores são importantes para não atrapalhar a circulação quando ela for mais justa Estúdio São Paulo/Casa.com.br

Quem gosta de decorar a casa está sempre em busca de móveis e de outros objetos de decoração. Com tantas preocupações em otimizar e pensar no conforto da decoração, muitas pessoas acabam se esquecendo de itens que vão bem em qualquer ambiente e que podem ser facilmente encontrados. É o caso dos pufes. Versátil e funcional, o pufe é aquela peça coringa que pode ser facilmente transportada de um cômodo a o outro de acordo com sua necessidade.

Segundo a arquiteta Claudia Yamada, sócia da também arquiteta Monike Lafuente no Studio Tan-gram, o pufe pode ser usado como banquinho, apoio de pé quando não há sofá retrátil na sala, ou mesa de centro. “Ele é uma ótima forma de ficar confortável quando se assiste tv, além de ser super versátil por encaixar debaixo de uma mesinha, rack ou no centro da sala de tv”, afirma.

Além do estar e fora do óbvio

Sala de estar ampla com sofá de canto, 5 lugares roxo e poltrona bege. Decoradas com almofadas em cores complementares. No centro, dois pufes de tamanho médio, circulares, na cor creme.
Nesta sala projetada pelo Studio Tan-Gram, a disposição do ambiente ficou bem quadrada e generosa. Foram inseridos dois pufes grandes, que no dia a dia apoiam até livros e revistas. Nesse caso, as arquitetas deixaram os pufes num tom bem neutro para fazer o contraponto com sofá que tem uma cor bem marcante Estúdio São Paulo/Casa.com.br

Mas, se pensa que esse tipo de móvel só vai bem em uma sala de estar, você está enganado. Num quarto de bebê com poltronas, por exemplo, os pufes podem servir para apoiar o pé.

Em um dormitório que tenha uma mesa de maquiagem, a peça pode servir como assento ou até mesmo para calçar um sapato, pois ele é mais maleável que uma cadeira. No escritório, você pode colocá-lo debaixo de uma bancada. No terraço, o pufe pode ser usado como banco – coloque nas laterais para facilitar a circulação.

Equilíbrio de elementos

Sala de estar pequena, com sofá de dois lugares decorado com almofadas cinza, claras e escuras, e uma manta marrom. A frente dois pufes circulares - um mais largo e cinza e outro menor e branco.

Prefira usar o pufe em um tom diferente do sofá. “Como o pufe complementa bem com almofadas e tapetes, ele é aquele toque de cor na decoração sem pesar – neste caso, prefira sofás com tons neutros. Outra opção é trocar, colocando a cor do sofá em destaque e o pufe mais neutro, para ser um contraponto”, explica Monike.

Sala em estilo Boho com sofá com almofadas coloridas e pufe colorido como mesa de centro
Reprodução/Pinterest

Além do equilíbrio do tom, é importante levar em consideração o tamanho. Para isso, analise a questão da circulação sem prejudicar o espaço. “Se a sala é mais quadrada, você pode colocar um pufe maior redondo/quadrado. Se a circulação é mais retangular, cabem dois pufe menores.

Mas, tudo isso depende do uso dos moradores. Se o sofá não for retrátil, o pufe será usado para apoiar o pé”, aponta Claudia. Se mais de uma pessoa for usar a sala, é interessante ter mais de um pufe.

Continua após a publicidade

Dicas como inserir a peça nos ambientes

Sala de estar estreita com sofá cinza claro e almofadas laranjas. Apresenta ainda uma tv fixada na parede e um rack de madeira. No centro, dois pufes quadrados cujo tecidos são brancos com finas listras vermelhas.
Com um estilo bem moderninho, os pufes desse apartamento assinado pelo Studio Tan-Gram dão um toque de cor para dar vida ao ambiente. São dois menores para servir bem a circulação mais estreita, além de serem na altura do sofá para acomodar os pés na hora de assistir TV Estúdio São Paulo/Casa.com.br

Em uma sala de estar, por exemplo, quantos pufes inserir? Tudo irá depender do layout. Se a sala for grande, coloque um pufe central maior, sendo mais fixo para que as pessoas possam sentar ou usar como mesinha. Caso a circulação seja mais estreita, utilize dois menores.

Sala de estar em estilo clean com sofá e pufes brancos
Architecture and Design/Reprodução

“Se o ambiente possui um sofá grande, automaticamente ele pede um puff maior, pois do contrário ficará desproporcional. Um pufe meio quadrado/cubo dá um ar mais moderno ao ambiente, ou seja, se a ideia é um espaço mais moderno, com moradores mais jovens e descolados, esse modelo tem tudo a ver com eles”, sintetiza a arquiteta Monike.

Entretanto, se a ideia é que esses pufes virem banquinhos, é ideal que eles sejam da altura do assento das cadeiras. Se o uso do pufe for como mesinhas de centro, é legal que tenha a altura do sofá.

Erros na decoração com puffs

Dormitório com cama e mesinhas laterais de madeira. A parede de cabeceira traz uma ilustração abstrata em linhas pretas. Num canto do quarto está um pufe azul estruturado em tranças com três pés.
A ideia desse pufe é bem versátil. O morador pode usar para sentar em frente a penteadeira ou para sentar e calçar um sapato. Além disso, a peça tem um toque de cor bem diferente do ambiente neutro Estúdio São Paulo/Casa.com.br

De acordo com as arquitetas, os principais erros de décor são justamente no tamanho e na cor. ”Na maioria das vezes, as pessoas querem que caibam muitas coisas dentro de um ambiente menor. Mobiliários muito maiores do que deveriam ser em espaços pequenos dão a impressão de que o local é menor ainda. Com isso, os puffs acabam atravancando a passagem, impossibilitando a fácil locomoção, ficando apertado ou desconfortável”, comentam.

Living com sofá branco, rack em madeira, tv e pufe azul como mesa de centro
Projeto do escritório Brise Arquitetura Denilson Machado, MCA Estúdio/Casa.com.br

Assim como no tamanho, as pessoas também optam por comprar as cores mais baratas. “Há ambientes que combinam com branco, preto, ou tons muito vivos como verde-bandeira, vermelho-sangue, azul royal, mas na maioria das vezes, é melhor escolher tons mais suaves e acinzentados. Tom de goiaba, verde suave e azul suave dão mais elegância e deixam o ambiente menos cansativo”, completa Claudia Yamada.

Continua após a publicidade

Publicidade