Casa Created with Sketch.

Estilos decorativos: arquiteta explica as principais referências

A profissional Marina Carvalho detalha as características que acompanham cada estilo e dá dicas sobre como adotá-los no lar

No estilo contemporâneo, este apartamento oferece praticidade e conforto. Na sala de jantar integrada com o estar, o ‘L’ com o canto alemão em volta da mesa propiciou aproveitamento do espaço e mais assentos. No tocante às cores, o imóvel recebeu uma base neutra e tons mais fortes – de maneira pontual –, como pede a essência desse décor

No estilo contemporâneo, este apartamento oferece praticidade e conforto. Na sala de jantar integrada com o estar, o ‘L’ com o canto alemão em volta da mesa propiciou aproveitamento do espaço e mais assentos. No tocante às cores, o imóvel recebeu uma base neutra e tons mais fortes – de maneira pontual –, como pede a essência desse décor (Evelyn Müller/Casa.com.br)

Entre tantas escolhas que devem ser feitas pelo morador para a execução do projeto residencial, existe uma que é essencial e que se configura como o ponto de partida para a reforma ou construção: a definição do estilo arquitetônico e decorativo do imóvel.

É a partir dessa referência que o profissional responsável pode trabalhar na definição das cores, materiais, revestimentos, móveis e objetos que farão parte da composição de cada cômodo, sempre pensando na unidade da proposta do décor.

Neste projeto, a arquiteta Marina Carvalho adotou um viés mais contemporâneo: o espaço onde está localizada a sala de estar ganhou um brise de madeira, na mesma tonalidade do rack e painel da TV, que permite a ampliação e integração com os outros ambientes. Com o mobiliário verde, o apto conquistou um toque de modernidade e aconchego

Neste projeto, a arquiteta Marina Carvalho adotou um viés mais contemporâneo: o espaço onde está localizada a sala de estar ganhou um brise de madeira, na mesma tonalidade do rack e painel da TV, que permite a ampliação e integração com os outros ambientes. Com o mobiliário verde, o apto conquistou um toque de modernidade e aconchego (Evelyn Müller/Casa.com.br)

Porém, com tantas facetas e olhares que a arquitetura de interiores pode oferecer, como acontece essa identificação do estilo? Em linhas gerais, tudo vai de encontro com o estilo de vida, personalidade, referências e os sonhos que os futuros moradores carregam dentro de si, bem como as necessidades que precisam ser atendidas para que, em plenitude, depois de pronto haja um senso de bem-estar e pertencimento com a morada.

Neste apartamento moderno, as cores neutras e terrosas se fazem presentes para deixar o local ainda agradável. Materiais naturais, como a marcenaria, além de trazer conforto deixa o ambiente mais leve. Com isso, os moradores vivenciam um clima de frugal, porém atual e autêntico

Neste apartamento moderno, as cores neutras e terrosas se fazem presentes para deixar o local ainda agradável. Materiais naturais, como a marcenaria, além de trazer conforto deixa o ambiente mais leve. Com isso, os moradores vivenciam um clima de frugal, porém atual e autêntico (Evelyn Müller/Casa.com.br)

Neste quesito, o arquiteto é peça fundamental para compreender os anseios e as ideias do proprietário, bem como orientá-los. Segundo a arquiteta Marina Carvalho, uma boa conversa ajuda na compreensão dos pontos daquilo que incomoda os moradores e os resultados que buscam.

“A interação que realizo com eles é bem mais profunda do que, em um primeiro momento, possa se imaginar. Gosto de mergulhar na dinâmica do cotidiano, saber que horas vão para cama e acordam, a atividade profissional que realizam e seus hobbies, por exemplo”, revela.

Os atributos rústicos podem se misturar com outras designações para conferir um ar up to date ao lar. Neste apartamento, a parede de tijolinhos efetivou um belo contraponto com a marcenaria delicada dos móveis e prateleiras

Os atributos rústicos podem se misturar com outras designações para conferir um ar up to date ao lar. Neste apartamento, a parede de tijolinhos efetivou um belo contraponto com a marcenaria delicada dos móveis e prateleiras (Evelyn Müller/Casa.com.br)

Para ela, essa imersão possibilita que seu trabalho desenvolva soluções que respondam ao modo de vida e que nem sempre é lembrada pelos clientes nas conversas iniciais. “Quanto mais nos aprofundamos nas entrelinhas da história de cada pessoa, vamos chegar a uma resolução sine qua non o projeto. E esse é um grande prazer!”, acrescenta.

Entendendo os conceitos de cada perfil decorativo

Com o intuito de ajudar quem pretende definir um o décor para chamar de seu, a arquiteta listou os estilos mais adotados na arquitetura atual, mencionando cores, materiais e elementos relacionados a cada um. Confira:

Estilo contemporâneo

 

 (Kadu Lopes/Casa.com.br)

Para quem procura uma decoração funcional, a linha contemporânea é a mais indicada. Sua composição permite a aplicação de tendências do momento, deixando a casa com ar mais atual, assim como escolhas pautadas no conforto, visando o aconchego e o bem-estar da família.

Veja também

Para Marina, a estética desse estilo reserva uma forte ligação com a tecnologia. Assim, a automação pode fazer parte para complementar o uso das luminárias nos espaços, tanto como a aberturas de persianas, por exemplo.

 (Brunella Costa/Casa.com.br)

“Como são itens que se adaptam bem ao modo de vida atual, são opções que vão bem para todos os espaços conforme as proporções e usos específicos”, completa.

No décor contemporâneo, as cores neutras como preto, branco, cinza e tons pastel são muito presentes com o objetivo de dar visibilidade aos ambientes e deixá-los ainda mais sofisticados. Para quem gosta de cores vivas, amarelo e verde são perfeitos para inserir efeito de contraste nos locais aplicados.

Minimalismo

 

Ganhando cada vez mais espaço nas residências brasileiras, o estilo minimalista prioriza o mix entre poucos elementos, deixando os cômodos visualmente mais limpos.

Com isso, o décor é composto apenas por itens essenciais eleitos pela funcionalidade e a estética que realizará no contexto do projeto. Posto isso, o estilo minimalista é fundamentado na sobriedade, onde tudo é muito simples e cada móvel ou objeto declara uma verdadeira razão para estar naquele ambiente.

Projeto de Luke e Joanne McClelland

Projeto de Luke e Joanne McClelland (ZAC and ZAC/Divulgação)

Para os moradores que adotam o minimalismo, a casa deve ser um refúgio de paz e tranquilidade.

“Sem dúvidas, no modus operandi do minimalismo, ‘o menos é mais’. O segredo é apostar em formas descomplicadas e em peças que, ao mesmo tempo, unam decoração e utilidade. A iluminação clara também é uma boa dica para quem se identifica com o gênero”, ressalta a arquiteta.

Estilo moderno

A decoração moderna combina um pouco do minimalismo e do contemporâneo através das linhas limpas e formas retas. Junto com isso, a aplicabilidade das decisões, os materiais naturais e as cores neutras e terrosas são essenciais, assim como nos outros dois estilos.

 (Kadu Lopes/Casa.com.br)

Geralmente, os adeptos desse estilo declaram sua preferência por cômodos descomplicados e bem-organizados, dispensando o excesso de móveis e objetos decorativos. De acordo com Marina, para deixar a casa ainda mais moderna é interessante investir em um bom projeto de iluminação nos cômodos.

 (Julia Ribeiro/Casa.com.br)

“Além de luz natural, que deve se fazer bastante presente, adotamos lâmpadas de LED na marcenaria ou em espelhos – um componente muito usado para ampliar os ambientes e que torna tudo ainda mais elegante”, diz.

Ela ainda acrescenta que essa proposta favorece a tecnologia por meio da inserção de metalizados e outros recursos que facilitam o dia a dia, como a automação.

Estilo clássico

 

 (Kadu Lopes/Casa.com.br)

Por ser atemporal, o clássico está sempre em alta nos projetos, oferecendo requinte e elegância para as residências.

Na contramão do moderno, é caracterizado pela imponência dos móveis, materiais e tecidos. Sendo assim, madeira e mármore com desenhos detalhados são bastante explorados no projeto e o mobiliário acompanha o conceito de peças robustas, porém com design delicado, lembrando os móveis antigos.

No tocante à paleta de cores, um mix de tons escuros e médios recebem pinceladas de bronze, dourado e prata, com o intuito de acrescer refinamento aos ambientes.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Essa fusão favorece a iluminação amarelada com artigos que remetem a um tempo de outrora, lustres mais robustos, candelabros, candeeiros e abajures de seda. Para a profissional, o segredo é não caminhar para o exagero, uma vez que o luxo não combina com o excesso de detalhes e o resultado por ser um projeto cansativo.

“A mescla do clássico com outros estilos pode propiciar um resultado bem interessante”, afirma.

Rústico

 

 (Reprodução/Dezeen)

Por fim, o conceito rústico é marcado pelo aconchego, sobretudo pela inserção do natural como a pedra, madeira, palha e cobre, entre outros materiais que emprestam sua simplicidade e leveza ao décor. Além disso, há também a memória afetiva, transmitindo sensações nostálgicas e afetivas aos moradores, como se fosse uma casa de campo.

 (Marcelo Donadussi/BowerBird)

Mas o rústico não está preso à essência campesina: ele pode muito bem se fundir com o moderno e o contemporâneo. “Nessa junção, podemos apostar também no cimento queimado, tijolo e cores quentes puxando para os tons terrosos. Outra dica é a presença das plantas dispostas pelos ambientes”, finaliza.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.