Casa Created with Sketch.

Templo de meditação feito de bambu mostra a versatilidade do material

Na Tailândia, a construção foi construída com materiais naturais e inspirada na forma tradicional das catedrais

 (divulgação/Casa.com.br)

Localizada no topo de uma colina, ao norte de Chiangmai, na Tailândia, esta construção de bambu chama a atenção na paisagem. Trata-se de uma catedral de meditação, assinada pelo escritório local Chiangmai Life Architects. Pensado para se integrar harmoniosamente com a natureza e parecendo emergir do solo, o lugar foi estrategicamente instalado para que os frequentadores pudessem desfrutar da vista para as montanhas.

 (divulgação/Casa.com.br)

A princípio, o projeto era somente sobre um espaço onde o cliente pudesse apreciar o pôr do sol junto com sua família, mas no decorrer da obra, os planos aumentaram e surgiu a ideia de criar uma estrutura que facilitasse a prática espiritual budista. Em consequência disso, a catedral de meditação foi incluída ao projeto.

 (divulgação/Casa.com.br)

Assim, os arquitetos desenharam uma cúpula como de uma catedral tradicional e, para conseguir esse efeito, usaram bambus enrolados a fim de formar arcos, que servem de suporte estrutural para a construção, assim como nos templos romanos ou góticos. Os arcos, por sua vez, carregam um teto flutuante em forma de guarda-chuva com claraboias que permitem que a luz natural penetre o interior. 

 (divulgação/Casa.com.br)

Ao lado do espaço de meditação, há um banheiro com chuveiros, coberto também por um telhado de bambu e paredes de adobe. Há também uma construção menor em forma de cogumelo, onde estão escondidas as caixas d’água e o poço.

Segundo os arquitetos, as principais espécies de bambu utilizadas neste projeto são thyrsostachus, como th. oliveri e th. siamensis. Todos os bambus foram bem selecionados por idade e tratados por imersão em solução de bórax e ácido bórico.

 (divulgação/Casa.com.br)

 

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.