Casa Created with Sketch.

Este prédio foi pensado para recuperar florestas queimadas

O projeto torna possível curar ecossistemas destruídos utilizado edifícios

 (Alberto Roncelli/Designboom)

Parece surreal um arranha-céu conseguir ajudar na regeneração de florestas queimadas, mas o arquiteto Alberto Roncelli provou que é plausível.

Regenera, localizado no centro de um ecossistema destruído, é um projeto que visa espalhar nutrientes e sementes através dos ventos e ser um abrigo temporário para pássaros e animais de pequeno porte. Ele ainda acompanha todas as fases, desde o território seco até a sua recuperação total.

 (Alberto Roncelli/Designboom)

Através da erosão de sua própria estrutura e, consequentemente, da sua dissolução que a construção se transforma e se espalha no ambiente. Além disso, durante os estágios iniciais, um laboratório no nível inferior é dedicado a experimentar, monitorar e pesquisar o processo e progresso da região.

Veja também

 (Alberto Roncelli/Designboom)

Nas etapas seguintes, os animais e plantas de pequeno e médio porte podem se estabelecer em torno do edifício – enquanto a floresta está no processo de crescimento e regeneração.

 (Alberto Roncelli/Designboom)

Apresentando um novo paradigma, Regenera sugere a possibilidade de programar e diversificar cada parte da estrutura, definindo, assim, um ciclo de vida determinado pela erosão e transformação constante. A escolha de materiais evolui no ato de misturar substâncias que a região necessita, lidando com o paradoxo do sistema e da precariedade.

 (Alberto Roncelli/Designboom)

O planejamento demanda domínios de fitogeografia, químicos, meteorologistas, engenheiros e biólogos, envolvidos para entender as necessidades de cada território morto. Roncelli criou uma nova forma de relacionar arquitetura e natureza, estrutura e ecossistema, tempo e erosão, arranha-céus e florestas.

*Via Designboom

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.