Carla Juaçaba é confirmada membro do Comitê de Honra do UIA 2020 RIO

A profissional brasileira vê no congresso a oportunidade para atravessar fronteiras entre a arquitetura e as questões sociais

Por Marianna Gualter Atualizado em 17 fev 2020, 15h53 - Publicado em 26 ago 2019, 14h29
Arquiteta e urbanista Carla Juaçaba Reprodução/PIN-UP/Casa.com.br

Mundo afora, o nome da arquiteta e urbanista Carla Juaçaba é associado a trabalhos que integram sustentabilidade, tecnologia e aspectos sociais. A profissional está entre os palestrantes e membros do Comitê de Honra já divulgados pelo UIA 2020 RIO, o 27º Congresso Mundial de Arquitetos – que ocorrerá em julho do próximo ano, no Rio de Janeiro.

Carioca e formada pela Universidade Santa Úrsula, Juaçaba atua e desenvolve pesquisas em seu próprio escritório há quase duas décadas, tanto em projetos privados quanto em programas culturais.

Casa Varanda, projetada por Carla Juaçaba Reprodução/Casa.com.br

Ao longo da carreira, desenvolveu como característica notável a preocupação com o contexto e o local onde suas obras se inserem. Frisando particularidades, como clima, luz, natureza e materiais disponíveis.

Entre seus projetos mais conhecidos, estão as Casas Varanda, Santa Teresa e Rio Bonito, localizadas em diferentes regiões do estado do Rio. Assim como, o Pavilhão da Santa Fé; uma capela construída para o Vaticano durante a Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2018; e o Pavilhão Humanidade; situado no Forte de Copacabana no decorrer do RIO+20, em 2012.

Casa Santa Teresa, projetada por Carla Juaçaba Reprodução/Casa.com.br

O trabalho de Juaçaba é premiado internacionalmente: ela venceu a primeira edição do arcVision – Mulheres e Arquitetura em 2013 e o AREA – Architecture Review Emerging Awards em 2018.

Pavilhão da Santa Fé, projeto de Carla Juaçaba exposto na Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2018 Reprodução/Federico Cairoli/Casa.com.br
Continua após a publicidade

Participante do UIA 2020 RIO, a profissional enxerga no congresso a oportunidade de discutir melhores maneiras para transpassar fronteiras. “Os limites entre arquitetura e questões sociais têm que ser atravessados. Qualquer tipo de projeto precisa levar em conta contextos e geografias específicas”, pontua.

A arquiteta completa: “Quando o congresso se propõe a reunir pessoas de diferentes países, de diferentes áreas, é para falar de diversidade, modos de adaptação e objetivos em comum”.

Pavilhão Humanidade, desenvolvido por Carla Juaçaba para o RIO+20, em 2012 Reprodução/Casa.com.br

Inédito no Brasil, o UIA 2020 RIO pretende transformar a capital carioca no epicentro do debate sobre o futuro das cidades do mundo.

Sob o tema “Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21”, o congresso também celebra o Rio de Janeiro como primeira cidade designada Capital Mundial da Arquitetura pela Unesco.

Além de Carla Juaçaba, os nomes do burquinense Diébédo Francis Kéré, do paraguaio Solano Benítez e da franco-brasileira Elizabeth de Portzamparc já foram divulgados.

Direcionado para arquitetos, urbanistas, estudantes, pensadores da cidade, agentes públicos e demais interessados, o evento ocorrerá entre os dias 19 e 23 de julho de 2020. Cerca de 15 mil pessoas são esperadas.

O UIA 2020 RIO é promovido pela União Internacional de Arquitetos (UIA) e conta com a organização do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). As inscrições estão disponíveis no site oficial.

Continua após a publicidade

Publicidade