3 dicas para prevenir acidentes e reduzir os gastos com energia

As principais medidas para tornar a casa mais segura e econômica no verão

Por Redação Atualizado em 25 jan 2022, 21h48 - Publicado em 25 jan 2022, 19h00
Reprodução/Giphy

Com o aumento do preço da energia elétrica, a procura por maneiras de reduzir o gasto e afastar os perigos que podem causar danos irreversíveis é alta.

Não podemos esquecer de, por estarmos no verão, é comum que as pessoas se preocupem em manter a manutenção da casa em dia, seja renovando a pintura, trocando os pisos ou mexendo no mobiliário. Por outro lado, um ponto fundamental muitas vezes é esquecido: a instalação elétrica.

Luca Nardone/Pexels

Para auxiliar você na prevenção de acidentes e na redução com os gastos de energia, o Grupo Prysmian convidou o especialista Ivan Arca Uliana, engenheiro de aplicação do Grupo para trazer as principais dicas. Veja abaixo:

Evite utilizar adaptadores e benjamins

 

Continua após a publicidade

Querer ligar aparelhos eletrônicos em tomadas distantes, utilizar vários no mesmo ponto e adaptar diferentes plugues para uma entrada é uma das principais situações que levam os moradores a utilizar benjamins, extensões e adaptadores.

E é aí que mora o problema, pois de primeira eles parecem a solução perfeita, mas esses equipamentos são considerados os grandes vilões da segurança elétrica da casa.

Reprodução/Giphy

“Um dos erros mais perigosos e frequentes é a utilização de adaptadores, benjamins, réguas e extensões porque essa atitude pode provocar uma sobrecarga no sistema elétrico da residência. Com isso, o mínimo que pode ocorrer é o disjuntor desarmar. Entretanto, se o dimensionamento da proteção não foi feito corretamente, há um grande risco de acidentes maiores”, explica Uliana.

SOS casa: o novo plugue não encaixa na tomada

O profissional ressalta a importância de evitar o uso destes acessórios e de estar com a manutenção dos fios e disjuntores do lar sempre em dia. Assim, mantém a proteção elétrica sempre dentro das normas. Lembre-se: as dicas também são importantes para apartamentos!

Reprodução/Casa.com.br

“Seja novo ou antigo, o imóvel precisa estar sempre com a manutenção em dia e protegido, no mínimo, com disjuntores no quadro elétrico para evitar que sobrecargas danifiquem as instalações. Adicionalmente, pode-se utilizar dispositivos DPS e IDR no quadro de energia para aumentar a proteção também contra raios e choques elétricos.

O excesso de carga eleva a temperatura, e sem os disjuntores adequados, a proteção do cabeamento derrete. Os fios desencapados podem se encontrar e provocar um curto-circuito, causando um pico de carga que pode provocar faíscas e iniciar um incêndio”, complementa o engenheiro da Prysmian.

Veja também

Fique atento ao consumo desnecessário de energia

 

Continua após a publicidade

Observe na quantidade de aparelhos eletroeletrônicos ligados ao mesmo tempo, aumentando o risco de sobrecargas. Eles podem comprometer o isolamento dos cabos e causar atrito entre os condutores, causando curto-circuito. Outra consequência inevitável é uma conta de luz ‘salgada’ no fim do mês.

Como reduzir esses gastos e danos?

 

Continua após a publicidade

Segundo o especialista, o primeiro passo é evitar o uso de energia desnecessária em aparelhos aparentemente ‘inofensivos’.

“Ao sair de casa, muitas vezes nos esquecemos de desligar da tomada nossa TV, relógio digital, micro-ondas etc. No entanto, esses aparelhos ficam energizados mesmo desligados, pois têm painéis iluminados e/ou são acionados por controles remotos. Isso parece não ser um grande problema, mas somados esses consumos de cada aparelho, podem oferecer risco à residência e irão impactar na conta”, alerta Ivan.

Reprodução/Giphy

Por isso, para amenizar o consumo, lembre-se: no verão, não há necessidade de deixar o chuveiro no modo inverno; use a lavadora de prato apenas quando estiver cheia – a mesma dica vale para a máquina de lavar roupa e o ferro de passar -; acenda as luzes dos cômodo somente onde as pessoas estão reunidas e apague sempre que sair.

Substitua antigas lâmpadas incandescentes, ou fluorescentes, por LED – uma vez que as incandescentes podem consumir até 80% mais de energia do que as de LED e ainda aumentam os riscos de sobrecarga.

Reprodução/Giphy

Mais um motivo para fazer essa troca é que os modelos antigos esquentam muito e podem causar incêndios se posicionadas muito próximos de materiais que podem pegar fogo.

Como verificar se tudo está ocorrendo bem?

 

Continua após a publicidade

Siga estas medidas e atitudes práticas para descobrir se está ocorrendo algum problema elétrico no seu lar:

  • Analise sempre a sua conta de luz. Se ela repentinamente subir de um mês para o outro, algo está errado. Além de um possível exagero no consumo (banhos demorados, por exemplo), uma conta mais alta a cada mês pode ser um alerta de que algum equipamento ou componente elétrico da instalação deve estar funcionando mal, ou seja, consumindo mais corrente elétrica do que devia ou está superaquecendo devido a alguma sobrecarga;
  • Verifique rotineiramente as conexões elétricas – tomadas, disjuntores, soquetes das lâmpadas, etc. – se existem marcas pretas, como uma fuligem cobrindo parte desses componentes. Isso significa que está ocorrendo um aquecimento anormal nesses componentes e pode ser um indicativo de mal funcionamento;
  • Os interruptores das lâmpadas devem ligar e desligar com um único toque, sem fazer barulhos nem apresentar sinais como se estivessem “faiscando”. Se isso ocorrer, deve-se substituir o interruptor imediatamente antes que haja um derretimento do componente, podendo causar um incêndio;
  • Sempre conte com profissionais qualificados para realizar qualquer manutenção e fiscalizações de rotina em sua instalação elétrica.

 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade