Continua após publicidade

Uma sala para surpreender!

A mesmice passa bem longe daqui: móveis descolados aliados a um intenso mix de cores e matérias-primas respondem pelo estilo único desse projeto

Por Texto: Juliana Duarte
Atualizado em 20 dez 2022, 20h37 - Publicado em 9 nov 2015, 11h00

Cartão de visitas da casa, a sala de estar tem a missão de acolher e, claro, encantar moradores e seus convidados.

 

Pensando nisso, Minhacasa pediu à arquiteta Letícia Arcangeli, de Santo André, SP, que criasse um ambiente tão bonito quanto criativo. Para começar, o rack tradicional perdeu o posto para um conjunto de nichos e um banco de madeira. Ponto para a originalidade e para a economia, já que dá para encontrar módulos bem baratinhos. Outro destaque é a mistura de tons marcantes, como o azul da parede, com elementos naturais, a exemplo dos tijolinhos aparentes, do tapete de sisal e da persiana de madeira. “Esses materiais suavizam as cores fortes e, ao mesmo tempo, proporcionam aconchego”, justifica a profissional.

 

O bom aproveitamento da área de 8 m também está entre os trunfos do projeto. Letícia escolheu móveis mais magrinhos, com proporções que poupam valiosos centímetros para circulação e evitam a sensação de entulhamento. E não é que, mesmo com a limitação do espaço, o luxo de ter um bar foi possível? Um móvel com função de adega guarda as bebidas, e, acima dele, um nicho esconde os copos – quando aberta, a porta basculante serve de apoio. Para arrematar com chave de ouro, não poderia faltar um bom equipamento de home theater, garantindo a sessão pipoca.

 

Layout eficiente

 

Ilustração: Alice Campoy

Continua após a publicidade

 

❚ Móveis mais estreitos liberam a passagem – a distância entre o sofá e a TV ficou em 1,65 m.

 

❚ O banco (1) que vai encaixado sob os nichos pode ser deslocado para servir como assento extra.

 

Casamento perfeito!

Continua após a publicidade

 

❚ O sucesso da paleta de cores se deve, principalmente, ao contraste: a pintura azul e o tom terroso dos tijolinhos fazem a parceria mais importante. Boas companhias são o amarelo e as variantes de rosa e vermelho, que entram para esquentar e alegrar a ambientação.

 

O rack montado com módulos prontos rouba a cena no estar

 

❚ Depois que a TV ficou magrinha e foi parar na parede, ao rack só restou a função de apoiar eletrônicos menores e itens decorativos. Tarefa que pode muito bem ser cumprida por móveis mais modestos. Sendo assim, a arquiteta teve a sacada: usar um banco como base para o home theater e criar um arranjo de nichos logo acima, que acolhem livros, porta-retratos e os mimos dos moradores.

 

❚ Aí, foi só brincar com cores e formas. O ponto alto é o jogo de volumes que Letícia conquistou: os quatro nichos centrais foram alinhados pela parte inferior, assumindo as diferenças de tamanho. Já os laterais poderiam entrar a qualquer altura – a arquiteta preferiu centralizar o turquesa e rebaixar o vermelho, proporcionando movimento ao conjunto. E ela revela uma dica valiosa: “Intercalar tons neutros e vibrantes suaviza a composição”.

Continua após a publicidade

 

❚ A parede da televisão ganhou tijolos aparentes – eles devem receber um impermeabilizante alcalino (sem ácido) para evitar que soltem pó. As plaquetas foram assentadas com junta seca, técnica que dispensa o uso de rejunte – elas são fixadas com argamassa, dispostas bem juntinho, com o mínimo de espaçamento possível. E saiba que esses blocos podem ser furados com brocas de até 8 mm: aqui, os nichos e o suporte da TV foram presos com buchas e parafusos comuns.

 

❚ Atenção ao optar pelos tijolinhos: antes de aplicá-los, assegure-se de que sua parede suportará a carga total – divisórias de drywall, por exemplo, pediriam reforço em um caso como este.

 

❚ Cabeça de cervo na parede? Só se for uma versão politicamente correta como esta, feita de MDF laqueado!

 

Por aqui, tudo foge do lugar-comum

 

❚ Não satisfeita apenas com o tom marcante do azul eleito para tingir as paredes, Letícia quis acentuar ainda mais a superfície atrás do sofá. Decidiu criar duas molduras que reproduzem um ornamento francês chamado boiserie. A versão original é um painel de madeira com relevo, mas, aqui, a profissional lançou mão de um método mais econômico: canaletas de plástico, daquelas usadas para esconder a fiação elétrica, foram pintadas no mesmo tom da alvenaria e aplicadas com adesivo de contato. Idênticas, elas formam duas molduras alinhadas pela largura do sofá.

Continua após a publicidade

 

❚ Nem mesmo o estofado escapou da proposta de surpreender. O modelo escolhido tem a base de pínus reflorestado à mostra, revestimento estampado e uma estrutura de sofá-cama, que, aberta, permite ver TV confortavelmente ou receber as visitas que ficam para dormir.

 

❚ Reparou na dobradinha de cortina e persiana? O tecido de voal confere leveza e privacidade quando a sala pede luminosidade natural. Em contrapartida, as ripas de madeira são usadas para barrar a luz, criando o clima ideal para os gostosos momentos de cinema em casa.

 

* PREÇOS PESQUISADOS EM SETEMBRO DE 2015, SUJEITOS A ALTERAÇÃO.

 

 

Publicidade