Casa Created with Sketch.

O que é NFT e porque esse mercado vale milhões

Abreviação de "Non-fungible token", eles estão fazendo grandes valores girarem na economia

O que é NFT?

Abreviação de “Non-fungible token”, um NFT é o registro de propriedade de um objeto digital em um blockchain. Qualquer tipo de mídia, incluindo, mas não se limitando a, arte, vídeos, música, GIFs, jogos, tweets e memes entram nessa caixa. A parte não fungível significa que o objeto é único, tornando-o insubstituível. “Um bitcoin é fungível – troque um por outro bitcoin e você terá exatamente a mesma coisa”, explica o The Verge. “Uma figurinha colecionável, no entanto, não é fungível. Se você o trocasse por uma carta diferente, teria algo completamente diferente.”

 (Reprodução/Designboom)

Em resumo, os NFTs ajudam a provar a autenticidade e a propriedade, impulsionando a economia emergente de colecionáveis ​​digitais e bens virtuais. De uma coleção de arte virtual de Grimes que foi vendida por 6 milhões de dólares, a um Banky original queimado e digitalizado como um NFT, esta nova tendência criptográfica é o tópico em alta no espaço digital no momento.

De acordo com o designboom, a partir de 12 de março de 2021, os NFTs tiveram uma venda histórica e recorde. Cunhada exclusivamente para a Christie’s Auction House (uma casa de leilões em Londres), uma monumental colagem digital do artista Mike Winkelmann, também conhecido como Beeple foi oferecida como um lote único de venda por 69.346.250 dólares para o empresário, codificador e investidor de blockchain, o Metakovan, o pseudônimo do fundador e financiador da Metapurse.

A venda de “EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS” (em tradução livre: “Todos os dias: Os primeiros 5.000 dias) marca duas novidades no setor: essa é a primeira grande casa de leilões a oferecer uma obra puramente digital com um NFT exclusivo; e a aceitar criptomoedas, além das formas padrão de pagamento pelo obra. A venda também o posiciona entre os três artistas vivos mais valiosos.

‘EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS’, por Beeple

‘EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS’, por Beeple (Beeple/Designboom)

“O que queremos é construir um enorme monumento para esta obra de arte particular que existe apenas no mundo virtual. Temos uma lista de desejos – um sonho, por assim dizer, de alguns dos arquitetos mais proeminentes do planeta.” Disse o estúdio de produção NFT Metapurse ao Artnet. “Gostaríamos de colaborar com eles para projetar algo que só possa existir neste espaço virtual e, em seguida, instalar essa arte nele e abri-lo para o mundo. O sonho é construir o monumento e, daqui a dois meses, mais ou menos, compartilhar um link para que você – onde quer que esteja no mundo – com o clique de um botão, possa vivenciar a grandiosidade desta obra.”

Então, por que tanto barulho em torno dos NFTs?

Eles estão provando ser um catalisador na transformação da economia das atividades criativas, permitindo aos criadores monetizem diretamente com seus fãs. Ser capaz de criar obras de arte no blockchain como NFTs significa que o conteúdo de um artista pode ser vendido globalmente em mercados descentralizados. Como se isso não bastasse, os NFTs também têm um recurso que paga ao artista uma porcentagem cada vez que o NFT é vendido ou muda de proprietário.

Nas últimas semanas, alguém pagou 3.600 dólares por um GIF de fantasma da Gucci, e uma coleção de móveis digitais de Andrés Reisinger rendeu 450.000 dólares em menos de 10 minutos. Mas os NFTs já existem há um bom tempo, tendo um de seus primeiros booms em 2017 com os cryptokitties, um dos primeiros jogos de blockchain do mundo operando na rede de blockchain subjacente da ethereum. Hoje, alguns desses gatinhos virtuais estão à venda e podem chegar a 1 milhão de dólares.

Por que vale tanto?

A esta altura, você também deve estar se perguntando por que compraria algo que todos possam desfrutar gratuitamente. A resposta é simples: “Qualquer pessoa pode ver fotos das obras de arte mais caras na internet; pôsteres são vendidos em museus”, Vincent Harrison, um galerista de Nova Iorque disse à Wired. “Mas é a propriedade que cria valor, portanto, com os NFTs, você não apenas tem a propriedade, mas também a blockchain, você tem a propriedade que é transparente para todos verem.”

Detalhe de ‘EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS’, por Beeple

Detalhe de ‘EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS’, por Beeple (Reprodução/Designboom)

Em meio a todas as manchetes chamativas de leilões multimilionários e vendas de celebridades, as preocupações com o custo ecológico dos NFTs estão revelando um lado diferente da cena. As criptomoedas no blockchain usam um algoritmo para armazenar informações em muitos nós de uma rede, enquanto permanecem confiáveis ​​e seguras.

Este processo é extremamente intensivo em computador e, portanto, o consumo de energia é notavelmente alto. “Estima-se que uma única transação ethereum tenha uma pegada em média de cerca de 35 kwh”, escreve o artista computacional e o engenheiro Memo Akten em “O custo ecológico irracional de #cryptoart”. Ele continua: “‘Eu também fui abordado por outro cripto artista perguntando sobre sua pegada. Eles ficaram horrorizados ao saber que era em torno de cem toneladas de CO2. Para colocar isso em perspectiva, na Europa e nos EUA, a pegada de carbono per capita anual de toda a indústria, comércio e produtos importados é por volta de dez toneladas de CO2.

Como o mundo da arte está lidando com isso?

“O mundo da arte é dilacerado pelo espetáculo dessas bugigangas da cultura pop transformando de repente o que até agora era considerado esteticamente nada em milhões”, escreve JJ Charlesworth em um artigo para a ArtReview.

“O mundo da arte comercial, atingido por um ano de interrupções no COVID-19 e preocupado em como monetizar objetos de arte que são difíceis de mostrar e vender (mais ainda em uma era de galerias fechadas e feiras de arte), se viu forçado a recorrer a o mundo digital para manter a visibilidade de seus produtos. ainda assim, incontáveis ​​programas de vídeo, feiras de arte online e salas de exibição não resolveram realmente os sérios problemas que um mundo da arte global enfrenta até novo aviso.”

E conclui apontando os NFTs como solução para as questões do mercado: “Oferece a terra prometida de um meio de troca financeiro seguro, mas muito líquido, juntamente com uma garantia inviolável de exclusividade e escassez para os objetos negociados por meio dela. Leiloeiros experientes como o Christie’s, é claro, saltaram quando avistaram uma oportunidade (também conhecida como dinheiro).”

 (Banksy/Twitter/Designboom)

E embora o mundo da arte contemporânea tenha visto uma cena privilegiada de elite de colecionadores e ‘Guardiões Culturais’ (“um lugar onde valores contra-normativos, políticos e identitários poderiam reivindicar um grau de autonomia cultural”, de acordo com Charlesworth) o consumo popular de massa de NFTs vem com algum ressentimento.

Onde encontrar NFTs?

Então, se você tiver interesse, confira o OpenSea, Rariable e Nifty Gateway, onde Grimes vendeu sua coleção de arte digital. “NFTs e os bens digitais e colecionáveis ​​que eles possibilitam desempenharão um papel importante na próxima era da economia digital”, disse Tyler Winklevoss, CEO da Gemini, que adquiriu o Nifty Gateway em 2019. “Eles são a forma perfeita para cripto-colecionáveis, cripto-arte e muito mais – estabelecendo a base para o surgimento de indústrias multibilionárias inteiramente novas!”

Via designboom

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.