Veja castelos europeus arruinados sendo reconstruídos diante de seus olhos

Um grupo de arquitetos e designers fez animações que reconstituem como as obras seriam na época de sua construção

Por Ana Carolina Harada Atualizado em 1 abr 2020, 11h57 - Publicado em 31 mar 2020, 17h25

Todo mundo que já leu um livro de fantasia medieval, ou pelo menos já assistiu Game of Thrones, já imaginou como seria a Europa cheia de castelos, reis, rainhas, lordes e ladies. Bem, muitas dessas construções acabaram destruídas, seja por guerras, batalhas ou pela própria passagem do tempo.

Um grupo de arquitetos e designers, porém, encontrou um jeito de dar uma nova vida às ruínas e nos dar um gostinho da beleza de outros tempo.

Confira as animações que trazem 7 castelos de volta à vida!

Castelo Samobor, Samobor, Croácia

Reprodução/Casa.com.br

O reino da Bohemia compreendia partes das atuais Alemanha e República Checa e durou até o final do século 12, até a Primeira Guerra Mundial. O castelo foi construído pelo rei Ottokar no meio do século 13, mas o perdeu em uma guerra contra a Croácia e a Hungria. Hoje, restam somente a estrutura das paredes e a torre da guarda.

Château Gaillard, Les Andelys, França

Reprodução/Casa.com.br

O Château Gaillard é um exemplo precoce do uso de fortificação concêntrica e maquinação no projeto de castelos. Essa estrutura concêntrica era formada por três galpões defensivos, um dentro do outro, e cada um separado por fossos secos.

Ricardo, o Coração de Leão, construiu Gaillard entre 1196 e 1198 para se defender contra Filipe II da França. O castelo foi abandonado no século 16 e depois demolido por Henrique IV da França. No entanto, os elementos externos permanecem e você ainda pode admirar as paredes do pátio interno.

Castelo Dunnottar, Stonehaven, Escócia

Reprodução/Casa.com.br

Dunnottar fica de frente para o Mar do Norte a partir da costa Leste da Escócia. O castelo foi palco de vários episódios de tensão entre ingleses e escoceses, sendo o mais célebre aquele em que William ‘Coração Valente’ Wallace retomou o castelo para os escoceses em 1297.

Uma das ruínas do local é a Tower House do século XIV. Ela funcionava como uma espécie de mansão fortificada, com três andares de altura.

Castelo Menlo, Galway, Irlanda

Reprodução/Casa.com.br
Continua após a publicidade

O castelo Menlo pertenceu à família Blake por quase toda a sua existência e foi destruído pelo fogo em 1910. O cocheiro da família, James Kirwan, escapou das chamas ao descer de sua janela em trepadeiras de hera. Até hoje, o castelo é coberto por heras.

Não se sabe ao certo quando o castelo foi construído, mas claramente ele era uma residência, não uma construção militar. Grandes torres redondas, que continham um canhão e um telescópio, forneciam segurança aos habitantes.

Castelo Olsztyn, Olsztyn, Polônia

Reprodução/Casa.com.br

O Castelo Olsztyn fica em uma colina entre rochas calcárias, com vista para o rio Nayna, no nordeste da Polônia. Ele foi foi construído pouco antes de 1306 e ampliado por Casimir, o Grande, entre 1349-59, para se defender dos tchecos.

Nos anos seguintes, no entanto, os Habsburgos e os Suecos causaram danos significativos e o castelo ficou fora de uso. Hoje, os visitantes ainda podem ver a torre gótica original e explorar a maneira engenhosa pela qual os elementos construídos se integram às rochas e cavernas cársticas da área.

Castelo Spiš, Spišské Podhradie , Eslováquia

Reprodução/Casa.com.br

Ocupando uma área de quatro hectares, o Castelo Spiš é um dos maiores complexos de castelos do mundo. Ele foi construído para ser uma espécie de marco de fronteira e, mais tarde, tornou-se uma mansão. Ele pertencia à família Csák quando o fogo finalmente arruinou o edifício em 1780.

Os historiadores e arquitetos começaram a trabalhar na construção há várias décadas para proteger a estrutura das rochas instáveis da fundação.

Castelo Poenari (Fortaleza Poenari), Valachia, Romênia

Reprodução/Casa.com.br

O lendário Castelo Poenari é tão adornado com detalhes inspiradores que parece que veio de um livro de histórias. De fato, ele pertenceu a Vlad, o Empalador, o Voivode (duque) da Valáquia, que inspirou o Conde Drácula, de Bram Stoker. Subir as 1.480 escadas de concreto até a posição do ninho de águia do castelo cria uma sensação desconfortável de isolamento.

Um deslizamento de terra arrastou as torres até o rio, 400 m abaixo, transformando o local em uma ruína. A fortaleza em si foi originalmente construída diretamente na rocha e fortificada com terra ou cal, e Vlad a reconstruiu com torres extras para defesa.

Fonte: Budget Direct

Continua após a publicidade

Publicidade