Casa Created with Sketch.

Veja castelos europeus arruinados sendo reconstruídos diante de seus olhos

Um grupo de arquitetos e designers fez animações que reconstituem como as obras seriam na época de sua construção

Todo mundo que já leu um livro de fantasia medieval, ou pelo menos já assistiu Game of Thrones, já imaginou como seria a Europa cheia de castelos, reis, rainhas, lordes e ladies. Bem, muitas dessas construções acabaram destruídas, seja por guerras, batalhas ou pela própria passagem do tempo.

Um grupo de arquitetos e designers, porém, encontrou um jeito de dar uma nova vida às ruínas e nos dar um gostinho da beleza de outros tempo.

Confira as animações que trazem 7 castelos de volta à vida!

Castelo Samobor, Samobor, Croácia

 (Reprodução/Casa.com.br)

O reino da Bohemia compreendia partes das atuais Alemanha e República Checa e durou até o final do século 12, até a Primeira Guerra Mundial. O castelo foi construído pelo rei Ottokar no meio do século 13, mas o perdeu em uma guerra contra a Croácia e a Hungria. Hoje, restam somente a estrutura das paredes e a torre da guarda.

Château Gaillard, Les Andelys, França

 (Reprodução/Casa.com.br)

O Château Gaillard é um exemplo precoce do uso de fortificação concêntrica e maquinação no projeto de castelos. Essa estrutura concêntrica era formada por três galpões defensivos, um dentro do outro, e cada um separado por fossos secos.

Ricardo, o Coração de Leão, construiu Gaillard entre 1196 e 1198 para se defender contra Filipe II da França. O castelo foi abandonado no século 16 e depois demolido por Henrique IV da França. No entanto, os elementos externos permanecem e você ainda pode admirar as paredes do pátio interno.

Castelo Dunnottar, Stonehaven, Escócia

 (Reprodução/Casa.com.br)

Dunnottar fica de frente para o Mar do Norte a partir da costa Leste da Escócia. O castelo foi palco de vários episódios de tensão entre ingleses e escoceses, sendo o mais célebre aquele em que William ‘Coração Valente’ Wallace retomou o castelo para os escoceses em 1297.

Uma das ruínas do local é a Tower House do século XIV. Ela funcionava como uma espécie de mansão fortificada, com três andares de altura.

Castelo Menlo, Galway, Irlanda

 (Reprodução/Casa.com.br)

O castelo Menlo pertenceu à família Blake por quase toda a sua existência e foi destruído pelo fogo em 1910. O cocheiro da família, James Kirwan, escapou das chamas ao descer de sua janela em trepadeiras de hera. Até hoje, o castelo é coberto por heras.

Não se sabe ao certo quando o castelo foi construído, mas claramente ele era uma residência, não uma construção militar. Grandes torres redondas, que continham um canhão e um telescópio, forneciam segurança aos habitantes.

Castelo Olsztyn, Olsztyn, Polônia

 (Reprodução/Casa.com.br)

O Castelo Olsztyn fica em uma colina entre rochas calcárias, com vista para o rio Nayna, no nordeste da Polônia. Ele foi foi construído pouco antes de 1306 e ampliado por Casimir, o Grande, entre 1349-59, para se defender dos tchecos.

Nos anos seguintes, no entanto, os Habsburgos e os Suecos causaram danos significativos e o castelo ficou fora de uso. Hoje, os visitantes ainda podem ver a torre gótica original e explorar a maneira engenhosa pela qual os elementos construídos se integram às rochas e cavernas cársticas da área.

Castelo Spiš, Spišské Podhradie , Eslováquia

 (Reprodução/Casa.com.br)

Ocupando uma área de quatro hectares, o Castelo Spiš é um dos maiores complexos de castelos do mundo. Ele foi construído para ser uma espécie de marco de fronteira e, mais tarde, tornou-se uma mansão. Ele pertencia à família Csák quando o fogo finalmente arruinou o edifício em 1780.

Os historiadores e arquitetos começaram a trabalhar na construção há várias décadas para proteger a estrutura das rochas instáveis da fundação.

Castelo Poenari (Fortaleza Poenari), Valachia, Romênia

 (Reprodução/Casa.com.br)

O lendário Castelo Poenari é tão adornado com detalhes inspiradores que parece que veio de um livro de histórias. De fato, ele pertenceu a Vlad, o Empalador, o Voivode (duque) da Valáquia, que inspirou o Conde Drácula, de Bram Stoker. Subir as 1.480 escadas de concreto até a posição do ninho de águia do castelo cria uma sensação desconfortável de isolamento.

Um deslizamento de terra arrastou as torres até o rio, 400 m abaixo, transformando o local em uma ruína. A fortaleza em si foi originalmente construída diretamente na rocha e fortificada com terra ou cal, e Vlad a reconstruiu com torres extras para defesa.

Fonte: Budget Direct

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s