Arquiteto desenha pavilhões para vacinação contra a COVID-19 na Itália

A estrutura tem construção rápida e baixo impacto ambiental e estará presente em 1500 praças italianas

Por Nádia Simonelli 15 dez 2020, 09h03
reprodução/Designboom

O mundo todo aguarda ansiosamente pela vacina contra a COVID-19 e os países começam a se preparar para uma vacinação em massa. Na Itália, uma das nações que mais sofreu com os efeitos da pandemia, o imunizante será aplicado em cerca de 1500 estruturas, que serão montadas nos próximos meses em praças de todo o país.

O projeto desses pavilhões pré-fabricados leva a assinatura do arquiteto Stefano Boeri, que usou tecido e madeira para criá-los. Para agilizar o processo de implantação, Boeri projetou uma base circular e uma moldura em madeira estrutural. Este esqueleto está envolto em um envelope de tecido resistente à água, que o arquiteto afirma ser totalmente reciclável.

reprodução/Designboom

Já no interior, os espaços internos são separados por paredes têxteis flexíveis, que também são pré-fabricadas e oferecem transparência enquanto absorvem o som. “O Politécnico de Milão começará a trabalhar em um protótipo a fim de otimizar a pré-fabricação para que os pavilhões possam ser fácil e rapidamente colocados em toda a Itália”, afirma Boeri.

Segundo ele, a ideia do projeto é agilizar o processo de vacinação em todo o país e fornecer um pavilhão temporário em áreas públicas também ajuda a incentivar a população a se vacinar. “A vida pública da Itália está em nossas praças. Precisamos nos certificar de que esses pavilhões sejam acessíveis, confortáveis ​​e locais que a comunidade considere, por um período de tempo, parte de suas vidas para derrotar a CVID-19”, diz.

reprodução/Designboom
Continua após a publicidade

Os pavilhões criados por Boeri em colaboração com uma equipe de consultores, estão organizados em torno de um núcleo central, abrigando áreas de serviço para os profissionais de saúde, com banheiros, vestiários e depósitos.

Para reduzir o impacto ambiental da instalação, Boeri os projetou para serem facilmente desmontados e reutilizados em outro lugar. Além disso, a estrutura pretende ser autossuficiente em energia, com um anel de painéis solares na cobertura projetado para fornecer eletricidade suficiente para atender às necessidades de todo o pavilhão.

reprodução/Designboom

Além disso, uma grande flor rosa será estampada nas paredes externas e no telhado da estrutura, permitindo que as praças históricas da Itália floresçam visualmente. “Com a imagem de uma flor da primavera, queríamos criar uma arquitetura que transmitisse um símbolo de serenidade e regeneração”, diz o arquiteto.

O design da flor de Boeri também servirá como logotipo para a campanha de comunicação do país em torno da vacinação. Com o slogan “Com uma flor, a Itália volta à vida”, estará presente em mensagens do governo e também em totens informativos, que serão montados em espaços públicos para educar os cidadãos sobre o processo.

 

Continua após a publicidade

Publicidade