Casa Created with Sketch.

Aos poucos, mulheres conquistam espaço no setor de tecnologia

Mercados historicamente dominados por homens vêm sendo cada vez melhor divididos com elas

Mulheres já são cerca de 20% dos profissionais de TI no Brasil

Mulheres já são cerca de 20% dos profissionais de TI no Brasil (RF._.studio / Pexels/Divulgação)

Como a maioria dos outros setores, a tecnologia também é dominada pelos homens. Repleto de complexidades – algoritmos, data science, inteligência artificial –, no mais, aos poucos o tema começa a ser conquistado também pelas mulheres. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do IBGE, elas representam cerca de 20% dos profissionais atuando no mercado de TI no Brasil.

A desenvolvedora de TI da Plataforma A+, Carolina Cervela Freire, é uma das milhares de mulheres que dedicam suas horas entre bytes, gigas e teras. Aos 31 anos, a profissional foi descoberta pela equipe de gestão da edtech no mundo virtual. “Os líderes da área de tecnologia da Plataforma A+ encontraram meu perfil no LinkedIn e me convidaram para uma entrevista, feita, aliás, por quatro homens. Claro que fiquei nervosa, porque sei que ainda existe um certo preconceito na área, mas ainda na entrevista, eles me deixaram super à vontade e conseguimos fazer uma conexão super bacana”, disse a jovem.

Foi assim que Carol conquistou o seu primeiro emprego na área. Antes, ela era da área da saúde – fisioterapia –, mas, sem muitas oportunidades devido à pandemia de coronavírus, ela decidiu se arriscar na área de tecnologia, que já a atraía. “Embarquei em um bootcamp. Um mês e meio depois, eu estava sendo empregada pela Plataforma A+. Tive a sorte de entrar em uma empresa que soube valorizar minha trajetória e enxergar em mim um potencial, fez muita diferença pra mim e para o meu processo”, contou.

Carolina Cervela Freire é desenvolvedora de TI da Plataforma A+

Carolina Cervela Freire é desenvolvedora de TI da Plataforma A+ (Carolina Cervela Freire/Divulgação)

À frente da Plataforma A+, Bruno Mota acredita que promover o aumento da participação feminina no setor não é apenas sobre pessoas. “É sobre negócios também! Aqui na Plataforma A+, engajamos práticas que favoreçam realmente o encontro de ideias dos mais diversos colaboradores. Acreditamos na troca de conhecimento promovida dentro de um cenário cada vez mais igualitário para expandirmos nosso potencial e contribuirmos com a nossa missão de construir gerações apaixonadas pelo saber. Temos uma equipe multidisciplinar atuante para entregar soluções que otimizem o dia a dia das escolas, aproximem o relacionamento com as famílias e aumentem o engajamento e o aprendizado dos alunos”, disse.

A equipe do hub atende no total 56 instituições de ensino que apostaram no modelo de negócios oferecido pela plataforma para conectar estudantes por meio da tecnologia inovadora, seguindo as diretrizes e metodologias disponíveis, como ensino híbrido, sala de aula invertida e aprendizagem adaptativa. 

“Somos uma startup. Nascemos com o propósito de derrubar as barreiras e para isso apostamos numa cultura mais inclusiva e diversa. Por isso, trazer à tona esse debate é uma forma contribuir positivamente para o protagonismo feminino na construção de um mundo mais sustentável na era digital”, completou Bruno.

Os desafios

Para Carol, o principal desafio para muitas mulheres que querem embarcar na jornada digital é o medo da discriminação de gênero. “É uma área que exige um pouco mais de esforço delas para conseguir ser notada como alguém realmente preparada para o trabalho. Existem estatísticas que apontam que mulheres ganham menos do que homens, mesmo quando apresentam maior entendimento sobre o assunto em questão. Acredito que já avançamos muito nessa pauta, mas ainda há muito a ser feito. É preciso dar mais oportunidades e promover igualdade no setor. É uma transformação que não acontece de uma hora para outra, já que existem conceitos adquiridos de forma cultural e estrutural que precisam ser vencidos”, disse.

Sua afirmativa se reflete em números. O estudo divulgado pelo IBGE mostrou também que a participação feminina no mercado de trabalho brasileiro aumentou nos últimos 5 anos, mas elas continuam ganhando menos que os homens e ocupando poucos cargos de liderança.

“Precisamos mudar esta realidade e reduzir o gap de gênero no setor de tecnologia, por isso, aqui na Plataforma A+ abraçamos esta causa de impacto positivo para mudar este cenário”, declarou Bruno.

 

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.