Casa Created with Sketch.

Casas de bambu são construídas para amenizar crise habitacional

A iniciativa, pensada para diminuir a crise de moradia nas Filipinas, recebeu um prêmio de 50 mil libras

 (Divulgação/Casa.com.br)

Earl Patrick Forlales. Este é o nome do designer que ganhou 50 mil libras pelo prêmio Cities for our Future, da Royal Institute of Chartered Surveyors (RICS).

O reconhecimento veio depois que Forlales criou unidades habitacionais de baixo custo, feitas com bambu, a fim de amenizar a crise de moradia que assola as Filipinas.

 (Divulgação/Casa.com.br)

O projeto de Forlales demora apenas quatro horas para ser construído e custa 50 libras (R$ 245) por metro quadrado, o que o torna muito acessível.

“É um lar funcional por si só, mas é mais do que apenas uma casa”, conta o designer. “É projetado para transformar o lixo de uma comunidade em energia e em outros recursos valiosos.”

 (Divulgação/Casa.com.br)

A iniciativa chega em um momento crucial: a população da capital Manila já conta com 12 milhões de pessoas, quatro milhões destas vivendo em favelas. A previsão, ainda, é de que mais 2,5 milhões de pessoas cheguem às cidades nos próximos três anos. 

As casas pré-fabricadas CUBO, como são chamadas em inglês, serão usadas para abrigar os recém-chegados, antes de serem levadas em grande escala para as favelas.

 (Divulgação/Casa.com.br)

A inspiração do designer veio da casa rural de bambu de seus avós. Mas o seu bambu será diferente: tratado e laminado, terá uma vida útil 10 vezes maior.

Além disso, o material é super sustentável. Libera 35% mais oxigênio que as árvores e pode ser colhido anualmente sem causar degradação do solo. Para completar, as casas CUBO terão telhados inclinados para captar a água da chuvapalafitas para prevenir danos durante enchentes.

 (Divulgação/Casa.com.br)

A ideia, da qual se espera ajudar outras cidades superpopulosas, é viável em qualquer lugar que plante bambu (o que inclui o Sudeste Asiático, e partes da África e da América Latina).

Forlales planeja levantar fundos para o projeto vendendo lixo plástico para fábricas, além de direcionar o dinheiro que recebeu com o prêmio para iniciar os trabalhos este ano.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s