Debate da taxa do lixo está “encerrado”, diz Haddad

Prefeito de São Paulo lamentou o que chamou de partidarização do debate a respeito de uma taxa do lixo na capital paulista. Segundo ele, não há como retomar projeto

Por Amanda Previdelli de Exame.com Atualizado em 20 dez 2016, 19h09 - Publicado em 11 abr 2013, 19h04
exame-title

Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, afirmou hoje que o debate sobre uma possível taxa de lixo “está encerrado” e culpou a “partidarização” das discussões na época que o assunto tomou as manchetes, na gestão de Marta Suplicy (2001-2004). A afirmação foi feita a jornalistas durante o evento “O Desafio das Grandes Cidades”, promovido pela revista EXAME CEO.

fernando Addad

O prefeito, que já chegou a defender a taxa em outras ocasiões, disse que “não há clima” para retomar a proposta, que poderia ajudá-lo em sua meta de elevar de 1 para 10% o montante de resíduos destinados à reciclagem na cidade.

“O que se pretendia era a cobrança de acordo com o volume de lixo produzido por unidade produtora. Mas o oportunismo tomou conta do debate e ele acabou sendo extinto”, afirmou o prefeito.

Segundo Haddad, o modelo tecnológico para a nova política de resíduos sólidos já está fechado, mas faltam decidir questões de cronograma e custos.

“Temos duas concessionárias em negociação para ver quem vai pagar a conta dessa reciclagem”, disse o prefeito. Ele afirmou ainda acreditar que há espaço para avanços de modo que a capital paulista se torne exemplo para o país.

“Teria sido outra história se essa discussão tivesse sido feita com maturidade, mas nem sempre acontece isso no Brasil”, lamentou mais uma vez.

Continua após a publicidade

Publicidade