Copan terá fachada reformada e museu em homenagem a Niemeyer

A obra vai colocar uma cláusula da Lei Cidade Limpa em prática pela primeira vez

Por Texto Jussara Ribeiro Foto Cristiane Komesu Atualizado em 20 dez 2016, 18h55 - Publicado em 27 ago 2010, 16h13
Um título para uma foto sem titulo

Considerado um ícone da cidade de São Paulo e idealizado por Oscar Niemeyer, o edifício Copan terá sua fachada reformada e ganhará um museu no terraço em homenagem ao arquiteto. A realização desta obra colocará pela primeira vez em prática uma clausula da Lei Cidade Limpa, que permite publicidade visual desde que esta contribua para melhorias urbanas, ambientais e paisagísticas.

O projeto foi orçado entre R$ 35 e R$ 40 milhões e a maneira mais viável para concretizá-lo é com o patrocínio de empresas privadas. Se ele for aprovado, será a volta do primeiro outdoor à cidade permitido por lei, já que as propagandas dos patrocinadores ficarão na fachada até o término das obras.

Segundo Regina Monteiro, diretora da Emurb (Empresa Municipal de Urbanização), a ideia de uma reforma patrocinada é da associação de moradores e lojistas do Copan e está relacionada com a responsabilidade civil, uma vez que pedaços de concreto estão caindo da fachada e podem atingir quem passa pela calçada. Além disso, Regina conta que a Emurb recebeu uma proposta anterior que foi desconsiderada, já que o tamanho da propaganda era abusivo. A empresa patrocinadora pretendia cobrir praticamente toda a fachada do prédio, que tem 45 mil m² (o equivalente a cinco campos de futebol).

O material usado para a propaganda será a “tela holofônica” e cobrirá parte da fachada com o anúncio, permitindo aos moradores enxergarem através do painel. Se o projeto der certo, poderá ser realizado em outros prédios da cidade.

Continua após a publicidade

Publicidade