“Arquitetura terá papel mais importante que a decoração nas casas do futuro”

Curador da mostra La Casa Italiana, o arquiteto italiano Simone Micheli, usa poesia para descrever o futuro do morar.

Por Por Márcia Carini Atualizado em 20 dez 2016, 16h07 - Publicado em 5 jun 2008, 18h54

Na edição de maio da revista Casa Claudia, arquitetos e designers de interiores foram questionados sobre o futuro do morar. Cada um passou a sua visão. Para você, como serão as casas daqui a algumas décadas?

O homem ficou em segundo plano por muitos anos. Ele voltará a ser o centro de tudo e, dessa forma, procurará na sua casa o mesmo conforto e segurança que o homem da caverna buscava no passado. Assim, os espaços serão livres, com menos objetos. Boa parte da funcionalidade e a emoção ficará por conta da arquitetura. Acredito que o homem entrará em conflito com os objetos.

A mostra La Casa Italiana, no entanto, mostra a preponderância do objeto – camas com cabeceira gigante, banheira de Corian imensa…

É que a Mostra representa uma fase intermediária que vivemos hoje. É a casa do presente. Ela pretende trazer para o visitante um outro tipo de reflexão e, mais que isso, uma história dos produtos de ponta na Itália. Então, eu trago objetos simbólicos do novo luxo contemporâneo – como o banheiro, as salas de banho, tudo é grande pois a preponderância ainda não é do homem. É um extrato do nosso presente. Ainda assim, eu trabalho com a idéia de que o homem deverá voltar a ouvir o rumor do vento, o perfume do mar, os detalhes de sua cidade. E para isso, precisará se desvencilhar do consumismo.

Há algum lugar no mundo, alguma cidade que você conheça, em que esse futuro parece mais próximo?

Sim, o Tibet. Lá o homem tem um contato com a natureza. Mas temo que o consumismo chegue lá também. No Brasil, fui convidado a projetar um resort com 30 casas em Sítio do Conde, a alguns quilômetros ao norte de Salvador. A construção deve começar em um ano. Lá, a natureza é tão grandiosa que quem se hospedar ali tende a estar muito próximo dos valores que serão os primordiais.

Continua após a publicidade

Qual o papel da luz (que é tão presente na mostra) nesse novo morar?

Sem a luz não há cor. A luz é emoção e, portanto, parte fundamental da emoção que a arquitetura deverá trazer para o homem (como eu disse anteriormente). Eu trabalho com a luz como cimento armado – ela é parte importante de tudo que eu crio. Ela permite construir um sonho. Acho que poucos arquitetos no mundo trabalham com a luz como matéria bruta. Dentro da exposição, a luz é o manifesto da tecnologia – mas, embora tenha chamado a sua atenção, está tímida dentro do que eu imagino que seja possível fazer com ela. Eu utilizo a luz e seu controle, na mostra, para marcar que o controle da casa, através da automação, é uma realidade e está muito presente hoje, na Itália. Se pode controlar tudo. O homem pode controlar tudo. Dominar o espaço em que vive.

O quê: Mostra La Casa Italiana

Onde: MuBE – Museu Brasileiro da Escultura, av. Europa, 218, São Paulo

Quando: de 05 a 29 de junho, das 10h às 19h (de terça a domingo)

Quanto: entrada franca

Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo

Continua após a publicidade

Publicidade