Alquimia da cor: tintas artesanais

A improvável parceria de um arquiteto com um químico resulta em acabamentos artesanais e super-resistentes

Por Reportagem visual Mayra Navarro | Texto Tatiane Domiciano | Fotos Adriano EscanhueLa Atualizado em 14 set 2018, 11h42 - Publicado em 4 set 2014, 22h02

O arquiteto e paisagista Leo Laniado vivia em busca de maneiras práticas de conferir texturas às paredes que projetava. Quando, em 1993, conheceu o químico Osiel Alves Pereira, enxergou a oportunidade de dar vida aos trabalhos que teimavam em ficar no papel. Se o negócio decolou rapidamente, isso se deve à eficaz divisão de tarefas: Leo concebe as texturas e a paleta, que Osiel executa após estudar as fórmulas e os pigmentos apropriados. Hoje, 20 anos depois de fundarem a Terracor, eles seguem adotando esse processo, porém com técnicas cada vez mais apuradas. O novo fruto do laboratório da dupla é a coleção Dreamcollection. Indicada para ambientes internos e externos, reúne tintas que imitam com perfeição o cimento queimado e o aço corten. Incansáveis, os sócios -alquimistas também somaram a ela o revestimento acrílico Eco, com pet reciclado em sua já premiada receita. www.terracor.com.br

Publicidade