Milão 2013: os sofás, poltronas, cadeiras e camas do Salão do Móvel

Entramos no Salão no momento da inauguração! Corremos para conseguir conversar com todo mundo: Jean Nouvel, irmãos Campana, Ferruccio Laviani, Werner Aisslinger...

Por Por Silvia Gomez e Vanessa D’Amaro, direto de Milão | Fotos Katia Lombardo Atualizado em 20 dez 2016, 21h57 - Publicado em 10 abr 2013, 14h27

Cobertura completa de Milão

chamada1

chamada2

chamada3

Hora de correr! No primeiro dia de visitar o Salão Internacional do Móvel e seus mais de 2.500 expositores, o metrô é a melhor opção. Perdemos a conta das paradas na linha vermelha até chegar à Rho-Fiera, uma, duas, três, dezesseis… Suba a escada rolante da estação e lá está você, diante das ondas de vidro dos pavilhões projetados pelo italiano Massimiliano Fuksas. Para os estreantes, a arquitetura é de dizer “uau” (assim como para a fila de cadastramento, gente do mundo inteiro). Hora de correr, os designers da Moroso querem mostrar suas criações, os brasileiros irmãos Campana nos esperam na Edra para contar de suas camas e o arquiteto francês Jean Nouvel dá uma entrevista coletiva em sua instalação de escritórios do SaloneUfficio. Tudo ao mesmo tempo.  Oba, vamos lá. “O escritório é um lugar de encontro. Por isso, temos de permitir as diferenças de cada um. No futuro, ficaremos assustados com a padronização de hoje”, diz Nouvel, vencedor do Pritzker 2008. Em sua proposta na feira, ele mostra como galpões e apartamentos podem se transformar em agradáveis – e muito pessoais – locais de trabalho. Em um dos ambientes, inventa um loft todo branco onde até a cozinha e a cama viram home office. Ah, por falar em cama, elas estão com tudo entre os lançamentos de Milão 2013, capitaneadas pelas peças de Fernando e Humberto Campana. “Quando recebemos a encomenda da Edra, pensamos em como as nossas antigas coleções de cadeiras se adaptariam ao quarto”, contou Fernando. Nossa preferida? A Corallo, para dormir e sonhar com nuvens. Mas não agora, que é hora de continuar correndo e perceber que os sofás estão mais e mais importantes, tradução evidente do nosso tempo. São sofás-ambiente, modulares e pensados para reunir diferentes usos, incluindo, é claro, o trabalho. No modelo Bikini Landscape, da Moroso, há até suporte para pendurar vasos de plantas e uma cortininha para ter privacidade no seu canto. “É uma ilha de encontro da família, mesmo que cada um esteja em uma atividade. Como uma colagem de peças, como a vida”, definiu seu designer, o alemão Werner Aisslinger, que já esteve no Brasil para ver as obras de Niemeyer e curtir o sol de Jericoacoara, CE. Ah, saudade do sol brasileiro, pois em Milão, o frio e a chuva continuam. Mas saudade fica para depois porque aqui é sempre hora de correr.

Continua após a publicidade

Publicidade