Já dá para comprar as luminárias de Rosenbaum criadas no Acre

Você já deve ter visto as luminárias que Marcelo Rosenbaum criou no Acre em Milão ou durante o Design Weekend. Agora, elas chegam às lojas.

Por Marcel Verrumo Atualizado em 19 jan 2017, 15h49 - Publicado em 9 set 2013, 20h41

A impressão que se tem quando se observa a obra de Marcelo Rosenbaum é que ele já tem seu nome registrado entre os designers brasileiros mais promissores de sua geração. Politizado, está à frente de uma equipe que concilia, como poucas, o design às causas sociais. Durante a 2ª edição do Design Weekend, a maior semana dedicada ao Design da América Latina realizada entre os dias 15 a 18 de agosto em São Paulo, dois fatos só corroboram com essa ideia: o lançamento da coleção de luminárias Yawanawá, resultado da segunda edição do projeto A Gente Transforma (AGT) e que chegam ao mercado com tecnologia da La Lampe, e o anúncio de que ele será o curador do Clube de Colecionadores de Design do Museu de Arte Moderna (MAM) em 2014. Saiba mais sobre esses feitos no texto logo abaixo da galeria de fotos:

A coleção Yawanawá é composta por nove luminárias confeccionadas com miçanga de vidro. Os produtos foram produzidos pela equipe de Rosenbaum, de designers do Fetiche Design e do Nada se Leva, em conjunto com 78 artesãos da etnia Yawanawá das aldeias amazônicas Nova Esperança e Amparo, do Acre. “Passamos um mês nas aldeias conhecendo a mitologia desses povos, ouvindo suas histórias. Então, com eles, começamos a produzir as peças de artesanato que seriam transformadas em luminárias. Cada luminária remete a mitos e lendas da cultura da comunidade. Tudo foi feito enquanto, simultaneamente, nossa equipe discutia com os índios a necessidade de eles criarem um coletivo para comercializarem seu artesanato”, conta Rosenbaum, que revela que o insight de realizar a segunda edição do AGT no Acre quando participava de uma festa Yawanawá durante suas férias. “O que mais me marcou nesta experiência foi a floresta. Demoramos 15 horas de ônibus e mais 10h de canoa para chegar ao nosso destino e, quando paramos, nos deparamos com a floresta amazônica, que se revela de uma beleza absurda. Estar no meio dos índios e ajudá-los no resgate da própria cultura é emocionante”, revela o designer André Bastos, do Estúdio Nada se Leva, que também participou da confecção do material. Após voltarem da Amazônia, os designers se reuniram com a equipe da La Lampe, que leva ao mercado as luminárias, para dar o acabamento ao material, o que inclui produzir a base das luminárias e a estrutura elétrica, por exemplo.

Outra novidade apresentada no DW! e que corrobora com a impressão de que Rosenbaum está entre os designers mais importantes de sua geração é o anúncio de que, durante o ano de 2014, ele será o novo curador do Clube de Colecionadores de Design do Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo. No próximo ano, ele terá o desafio de selecionar cinco designers que criarão peças para serem expostas no MAM. Embora ele afirme que já tem alguns nomes em mente, ainda não os revela, mas já adianta: “em 2014, temos o objetivo de fazer imersões em nove comunidades brasileiras no projeto A gente transforma. Queremos fazer um trabalho semelhante ao do Acre. Minha ideia é convidar os cinco designers que terão seus trabalhos expostos no MAM para imergirem nesses regiões e, em parceria com sua população, criar as peças”. Resta-nos acompanhar e esperar as novidades que vêm por aí.

Continua após a publicidade

Publicidade