Fábrica de ladrilho, serralheria e ateliê de vitrais apaixonantes

Por Reportagem Keila Bis | Fotos Alexandre Rezende Atualizado em 19 jan 2017, 13h44 - Publicado em 10 ago 2012, 21h47

Conheça a história de uma fábrica de ladrilhos hidráulicos quase centenária, o trabalho de um serralheiro com mais de 30 anos de atuação e o de um vitralista há 50 no mercado: um timede profssionais paulistas experientes e apaixonados pelo ofício que abraçaram.

A arte dos ladrilhos

 

Quando chegou ao Brasil, em 1920, Federico Dalle Piagge trouxe na bagagem uma prensa e vários moldes usados na confecção de ladrilhos hidráulicos. Ladrilheiro era sua profssão na Itália e estava decidido a dar continuidade ao trabalho em terras brasileiras. Em 1922, aos 18 anos, fundou a fábrica Ladrilar (rua Porto Calvo, 69, tel. 11/3228-6409, São Paulo) na capital paulista. Na época, os revestimentos mais usados eram a madeira e a pedra – por isso, as peças com estampas coloridas soaram como uma bonita novidade e logo fzeram sucesso. “Há três anos, restauramos os ladrilhos do Edifício Martinelli, no centro de São Paulo, feitos pelo meu avô na década de 30”, conta Hamilton Ruocco, 36 anos, que ao lado do primo Marcelo, de 40 anos, representa a quarta geração da empresa. A fábrica, com 20 funcionários, segue instalada no mesmo prédio de 700 m2 desde sua inauguração. Vende cerca de 35 mil unidades por mês para todo o Brasil. “Usamos o mesmo método de produção artesanal do meu bisavô. A tinta ainda é do mesmo fabricante”, diz, orgulhoso, Marcelo.

Outras empresas:

Brasil Imperial: rua Monsenhor Paulo Fernandes de Barros, tel. (11) 3984-2091, são Paulo.

Dalle Piagge: rua Ministro silva Maia, 219, tel. (11) 3834-9896, são Paulo.

Ornatos Soluções em Ladrilhos: rua Capitão João Cesário, 116/118, tel. (11) 2646-4495, são Paulo.

Serralheria – Sintonia com metais

 

Ele solda, parafusa e dobra. Os ângulos são os mais diferentes, assim como as espessuras: de pequenas – chegam a 5 mm – a grandes. Para o serralheiro Janos Biezok (rua Tonelero, 924, tel. 11/3862-6202, São Paulo), de 60 anos e ascendência húngara, nada parece ser impossível quando se trata de criar com ferro, alumínio e aço. “Janos não é apenas um executor, ele oferece soluções”, diz o arquiteto Vinícius Andrade, um de seus clientes. O profssional iniciou seu trabalho em indústria metalúrgica aos 14 anos, onde permaneceu até completar 30. “Eram empresas alemãs muito exigentes no apuro técnico. Aprendi bastante, pois transitei por muitas áreas, como projetos, fundição e forjaria”, relembra. Em 1982, decidiu montar a própria serralheria e passou a ser conhecido pelos desenhos elaborados e acabamentos fnos, como dobras especiais para fechamentos de calhas de fação elétrica. “Passei a fazer caixilharia, pergolados, escadas, divisórias, portas, portões, grades e bancadas, além de móveis e esculturas.” Tudo sozinho: do projeto à instalação, até hoje.

Continua após a publicidade

Outras empresas

Calfenix: rua Florenville, 51, tel. (11) 5686-1948, São Paulo.

Engeprod: avenida Santa Catarina, 277, tel. (11) 5031-8710, São Paulo.

Joart: rua Medeiros de Albuquerque, tel. (11) 3815-7981, São Paulo.

Herança ligada a vitrais

O vitralista Luís Martins Sarasá está prestes a completar 50 anos à frente do Ateliê Sarasá (rua Martins, 951, tel. 11/4361-7515, São Bernardo do Campo, SP), fundado pelo pai, o espanhol Luis Martins Lisbona, na década de 40. “Com a morte dele e a de meu irmão, que trabalhava conosco, eu assumi a direção”, explica o simpático senhor, de 65 anos, que hoje conta com a ajuda do flho Arnaldo, de 38 anos, no dia a dia do ofício. Essa família habilidosa já tratou de restauros importantes como o dos vitrais do Mercado Municipal e os da Catedral da Sé de São Paulo. Ultimamente, tem sido bastante solicitada para trabalhos em residências. “Cada vez mais, arquitetos e designers de interiores nos procuram para inserir o vitral em portas, janelas e claraboias de casas.” Luís está sempre em busca de ferramentas e materiais para aprimorar desenhos, cortes, pinturas, montagem. “Testei durante três anos o melhor vidro para trabalhar.”

 

Outras empresas

Conrado Vitrais e Cristais: rua Ângelo Herculano Teixeira da Silva, tel. (11) 5055-3731, São Paulo.

Luiza Burkinski: rua Verbo Divino, 1065, tel. (11) 2768-7886, São Paulo.

Vitrais Ton Geuer: rua José Martins, 1549, tel. (11) 3289-1502, Campinas, SP.

Continua após a publicidade

Publicidade