14 torneiras economizadoras (e dicas para minimizar o desperdício!)

Com as discussões sobre sustentabilidade em voga, a indústria não perde tempo e barateia as torneiras desenvolvidas para conservar a água.

Por Texto Daniella Grinbergas | Reportagem Visual Fernanda de Castro Lima Atualizado em 15 dez 2016, 11h01 - Publicado em 13 abr 2012, 11h32

Segundo dados da Sabesp, a companhia de água e esgoto de São Paulo, escovar os dentes por cinco minutos com a torneira aberta resulta em até 80 litros de água escoando pelo ralo. Esse consumo pode ser reduzido a apenas 30% se o metal tiver dispositivos economizadores, como tempo determinado de abertura, sensor de presença, arejadores e registro regulador de vazão. Às vezes, o investimento pode não ser muito barato, mas logo se sente o retorno financeiro na conta de água. Abaixo da galeria, você confere 14 modelos a partir de R$ 73.

*Preços Pesquisados entre 27 de fevereiro e 5 de março de 2012, sujeitos a alteração.

As torneiras automáticas garantem economia significativa de água?

 

As empresas asseguram que sim. “Há modelos capazes de poupar até 70% se comparados aos convencionais”, afirma Osvaldo Barbosa de Oliveira Junior, chefe da área de engenharia de aplicação da Deca. O segredo está no tempo controlado do fluxo de água, que não passa de dez segundos. Os mecanismos mais comuns de acionamento são os de pressão (é necessário pressionar o metal para a abertura) e os sensores de presença. “Esses últimos são ainda mais eficientes, pois interrompem a saída no momento em que se afastam as mãos, reduzindo as perdas, enquanto os primeiros cumprem na íntegra o período previamente determinado”, justifica Daniel Jorge Tasca, gerente de desenvolvimento de produto da Meber.

É possível controlar o tempo de abertura?

 

Sim. Alguns produtos já vêm programados, mas existem aqueles que permitem ao morador ajustá-los facilmente conforme suas necessidades. “Há uma norma técnica (a nBr 13713) apontando que o tempo deve variar de quatro a dez segundos”, explica Alechandre Fernandes, gerente de marketing de produtos da Docol.

A instalação dos metais é diferente?

 

As torneiras de pressão e as portadoras de sensores que utilizam bateria têm instalação convencional e se adaptam facilmente a qualquer projeto. Já aquelas com sensor elétrico são mais exigentes: “Nesse caso, é obrigatório ter um ponto de energia próximo para alimentar o sistema”, explica André Zechmeister, gerente de marketing da Roca. Qualquer que seja o modelo com reconhecimento de presença, sempre dependerá de uma caixa de componentes eletrônicos, que precisa ser fixada abaixo da pia, o mais próximo possível do metal.

Essas torneiras ainda são mais caras que as convencionais?

Continua após a publicidade

 

As tecnologias mais avançadas, como os sensores, costumam ter preços superiores, mas há muitos metais acessíveis. ”Atualmente, sustentabilidade não é um conceito elitizado, e os fabricantes são forçados a desenvolver e adaptar suas linhas economizadoras para todos os perfis de consumidor”, aponta o gerente da Meber.

O design é uma preocupação das marcas?

 

Antigamente, as torneiras automáticas eram exclusividade de banheiros públicos. Agora, com sua chegada aos ambientes domésticos, os fabricantes passaram a levar em conta o desenho. “A Deca já produz linhas especiais, com visual diferenciado e mais arrojado, justamente pensando na aplicação em projetos residenciais”, conta Osvaldo, que trabalha para a marca.

Está disponível algum certificado ou selo que garanta a economia?

 

“No Brasil, infelizmente não existe nenhum tipo de certificação para a economia de água”, diz Alechandre, da Docol. Como forma de chamar a atenção para os benefícios de seus produtos, algumas empresas lançam os próprios selos e imprimem nas embalagens informações referentes à redução do consumo.

Para quem não quer trocar as torneiras

14_mc24_88_torneira

 

Um mecanismo fácil de acoplar ao metal existente é o registro restritor de vazão (1), instalado na entrada de água, geralmente embaixo da pia. O próprio morador determina o fluxo ao girar o parafuso. Outra opção é o arejador (2) para bocais. “Ele retém a água e mistura ar no jato, diminuindo o fluxo, mas não o conforto”, diz Daniel, da Meber. A maioria dos produtos atuais já vem com o dispositivo.

Continua após a publicidade

Publicidade