Um olhar para as coisas simples

Às margens do rio Guaíba, em Porto Alegre, Heloisa Croco ergueu uma casa-ateliê de pínus reflorestado e traços da arquitetura nórdica.

Por Da redação Atualizado em 14 set 2018, 10h47 - Publicado em 2 nov 2006, 18h54

A construção, que funciona como local de trabalho e refúgio particular, está repleta de significados para a artista plástica. “Ela sintetiza uma trajetória importante da minha vida

Um título para uma foto sem titulo

Arquiteto: Trajano Antonio Straggiotti Silva

Localização: Porto Alegre, RS

Por que é ecológica: pínus reflorestado e aproveita inclinação do terreno.

Cabelos assumidamente brancos. Vestidos de algodão de corte reto e longo, geralmente em tons de azul. Nos dias frescos, um casaquinho. Para sair à noite, echarpe. Assim é Heloisa Croco. À primeira vista, ela encanta pela naturalidade. De perto, percebe-se que sua elegância se estende ao trabalho com madeira, que, de tão sutil, pede toda a atenção. É justamente esse viver o prosaico, o nada pretensioso, que a torna tão interessante. “O mundo nos induz a querer e ter sempre mais. Felizmente, eu consigo me afastar um pouco dessa roda-viva”, conta ela. A opção por uma vida sem acúmulos nasceu de uma viagem à Amazônia na compa-nhia de Zanine Caldas, artesão da madeira e um pioneiro da ecologia. Ela voltou encantada com os ensinamentos da floresta. “Descobri que todas as cores e os volumes estão na natureza. É só uma questão de olhar.”

A arquitetura de linhas retas tira partido do terreno estreito e inclinado. N...

De volta ao Sul, Heloisa escolheu o pínus como a matéria-prima principal de seu trabalho por dois motivos: primeiro porque é uma árvore abundante na região e, segundo, por ser proveniente de reflorestamento e, portanto, ecológica. A intimidade com a espécie se aprofundou ao longo dos últimos 15 anos. Quando projetou seu ateliê, não pensou duas vezes: elegeu mais uma vez o pínus. Idealizada durante anos, a construção abriga, além de bancadas e ferramentas de trabalho, cômodos de uma casa – cozinha, quarto, banheiro. “Aqui, eu me isolo de vez em quando para refletir sobre meu trabalho”, conta. Com bom relacionamento no meio acadêmico e empresarial, Heloísa pretende também transformar o espaço num eventual centro de debate sobre o design brasileiro. “Precisamos parar de olhar para fora e nos voltar para a roça”, opina.

Grandes portas de correr se abrem para o balcão e descortinam o rio Guaíba....
Continua após a publicidade

Feliz com a obra recém-concluída, Heloísa traça planos: “Uma festa, uma exposição…” Enquanto isso, desfruta do sossego do lugar e da vista do terraço, de onde aprecia o pôr-do-sol no Guaíba. A decoração, tão limpa quanto a arquitetura, abre espaço para pequenos mimos da natureza, como a semente em forma de coração ou um ninho de passarinho. “Procuro inspiração nos shakers, que tinham apenas o mínimo necessário”, diz, mostrando as fotos de um livro. A saber: os protestantes shakers viviam isolados nos Estados Unidos, no século 19, e perseguiam com fervor a purificação espiritual. Os poucos móveis e objetos que criaram tornaram-se referência do design minimalista. Sua filosofia, que prega o máximo de conforto com o mínimo de detalhes, é a mesma de Heloísa.

Um balcão em balanço se destaca no grande volume que compõe a construção...

Vencendo preconceitos

O pínus é conhecido como a madeira dos caixotes de feira. Macio e cheio de nós, sempre foi considerado matéria-prima de segunda categoria. Nos Estados Unidos, porém, o cenário é diferente. Em regiões como a Flórida, o material compõe boa parte das casas. Segundo Cézar Berthier, da Durapine, o preconceito nasce do mau uso. “Usando tecnologia adequada, o pínus substitui espécies nobres com igual resistência e durabilidade.” Árvore reflorestada e de crescimento rápido, o Pinus elliotti de origem européia se adaptou bem ao clima da Serra Gaúcha.

Um título para uma foto sem titulo

Textura bem explorada No tronco de pínus cortado, percebemos anéis claros e macios intercalados de outros escuros e duros. Os primeiros mostram o crescimento da árvore no verão e os segundos no inverno. “Nestes anéis estão a alma da espécie, pois revelam a idade da árvore”, conta Heloísa. Aproveitando os veios bem marcados, ela cria carimbos para estampar superfícies diversas: papelaria, roupas de cama e louças. A coleção, batizada de Topomorfose, ganhou o Prêmio do Museu da Casa Brasileira, em 1994. O material deu origem também a obras de arte, como os painéis feitos das sobras de uma fábrica de cercas.

Um título para uma foto sem titulo

Escandinavos e americanos “Topei na hora a idéia de construir com pínus”, conta o arquiteto Trajano Straggiotti Silva. “Afinal, tem tudo a ver com o trabalho de Heloísa.” Amigo de longa data, ele conhece o apuro formal da designer e sua relação com a madeira. Definida a matéria-prima, foi buscar inspiração na arquitetura dos países escandinavos — tradicionais construtores de madeira. A técnica construtiva, no entanto, é de origem americana. Trazida ao Brasil pela Durapine, o sistema consiste em erguer paredes autoportantes de ripas, apoiadas por pilaretes — o que prescinde de grandes estruturas.

Um título para uma foto sem titulo A velha mesa de trabalho serve também para refeições eventuais. Repare que... A roupa de cama da coleção Topomorfose tem estampa produzida com os carimbo... No escritório, a estante (Tok & Stok) guarda livros e achados da natureza (n...

Continua após a publicidade

Publicidade