O melhor da terra

Para se impor no alto da montanha, esta casa de campo investiu num diálogo com o entorno e no respeito à tradição construtiva local

Por Da redação Atualizado em 20 dez 2016, 22h37 - Publicado em 10 nov 2006, 16h38

Por que esta casa é econômica: técnicas simples, implantação eficiente no terreno

Projeto: Francisco Fanucci

Um título para uma foto sem titulo

Quando decidiu erguer um cantinho na região serrana de São José dos Campos, SP, o paulista Francisco Fanucci se valeu do melhor de seu repertório: a soma da construção brasileira tradicional com a arquitetura contemporânea. No corpo a corpo da obra, enfrentou desafios impostos pelo orçamento e pela mão-de-obra disponíveis – os trabalhadores locais dominavam só as técnicas básicas de construção. Assim, ele adotou a simplicidade como meta do projeto. O primeiro passo foi respeitar a inclinação natural do terreno e desenhar um refúgio em L, acomodando-o na porção mais plana e estável dos 20 mil m² da área, dispensando grandes aterros e cortes. Elementos descomplicados, como o telhado de meia-água, e materiais baratos – caso dos blocos de concreto das paredes -, também foram adotados. Velhos conhecidos dos pedreiros da região, as paredes caiadas e o piso cimentado minimizaram as chances de erro e desperdício. “Eles realizaram com excelência as tarefas comuns. As inéditas eram experimentadas com animação até acertarem”, conta Fanucci. Exemplo disso foi a impermeabilização dos contrapisos, uma das novidades que lhes foram apresentadas durante os seis meses de empreitada.

“As pessoas acharam que a construção parecia uma escola; houve quem criti...

 

Pontos de economia

Uma tora de madeira amendoim encalhada havia anos numa serraria – e em oferta – tinha a exata medida da sala (4,80 m de comprimento). O arquiteto arrematou a peça para colocá-la no piso da sala, na transversal, dispensando emendas e evitando perdas. Mandou cortá-la em pranchas de 2,3 cm de espessura, aparelhadas e retas – sem o encaixe macho-e-fêmea dos assoalhos. Depois, as tábuas foram pregadas sobre barrotes fixados no contrapiso e receberam cera como acabamento.

Para simplificar e baratear a alvenaria, as paredes levam blocos de concreto, cobertos de massa grossa e cal – a economia está em pular as etapas de reboco, emboço e massa fina. “Espalhamos a massa e alisamos com uma régua de madeira”, explica Fanucci. Para a caiação, ele adotou cal comum adicionada a fixador.

No lugar de lambris de madeira, que teriam de ser comprados em outro local (pagando-se o frete), usaram-se esteiras de bambu trançado. São uma especialidade da região e foram feitas por um artesão. O processo implica pregar o material nas terças da cobertura, deixando aparentes as vigas e tesouras do telhado (esconde a subcobertura aluminizada, que evita infiltrações). O friso de bambu arremata o encontro com as tesouras.

Continua após a publicidade

Um título para uma foto sem titulo A casa fica aquecida mesmo quando faz frio graças às suas várias fontes de... Um título para uma foto sem titulo

As duas faces do projeto

O refúgio se organiza em duas porções: a primeira resume-se à face que se volta para o amplo vale, barra o gélido vento sul e afirma sua presença no entorno. “A linha que define o muro da casa, que separa a face sul da norte, foi o primeiro traço do projeto”, diz o arquiteto, que acomodou sala, cozinha e churrasqueira nessa face. Do outro lado, onde estão os quartos, a casa sugere o convívio (fotos grandes) e é mais protegida pela paisagem. Abre-se em varandas para uma espécie de pátio e recebe o sol saudável da manhã. Também incorpora um pouco do jeito tradicional de construir naquelas bandas, como o telhado de meia-água e o cimentado colorido.

Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo

 

Pontos de economia

Os pilares roliços são antigos postes de luz, comprados de demolição. Como já vêm tratados contra a umidade, o arquiteto dispensou acabamentos protetores (do tipo verniz ou stain). Cada um deles se liga por pino metálico a uma base de pedra – extraídas do terreno, partidas na obra e assentadas no piso com argamassa. Essa providência é tradicional na arquitetura japonesa e garante que a água do solo não suba e estrague a madeira.

Nas varandas e na cozinha, o piso é artesanal. Primeiro, preparou-se uma base cimentada sem coloração. Quando a umidade natural do cimento (nata) brotou na superfície, a área sofreu a queima: uma mistura de cimento e de pigmento Pó Xadrez, da Lanxess, foi polvilhada e alisada com desempenadeira de aço. “Até hoje, não apareceu fissura.” O acabamento não guarda segredo: cera.

As esquadrias de angelim-pedra foram desenhadas por Fanucci e executadas pela Baraúna, empresa da qual é sócio. Do tipo balcão, têm as partes superior e inferior independentes, e saíram a preço de custo. Sua vantagem é dosar a entrada de luz e oferecer possibilidades de abertura. No acabamento, receberam impregnante do tipo stain (Polisten, da Sayerlack), que dispensa a lixa e evita reaplicações freqüentes.

Um título para uma foto sem titulo Já que o sol da tarde incide com força nos fundos da casa, o arquiteto crio... Tudo o que poderia ser comprado na cidade mais próxima veio de lá - assim g...

Continua após a publicidade

Publicidade