Mapa do verde da cidade de São Paulo

Apresentamos uma perspectiva do cenário atual para preservar os recursos naturais da metrópole. 

Por Por Luisa Cella Atualizado em 20 dez 2016, 21h43 - Publicado em 25 Maio 2014, 22h40

Preservar os recursos naturais é um dos maiores e mais importantes desafos que as metrópoles de hoje enfrentam. Em nossa cidade, as áreas da natureza remanescentes estão constantemente ameaçadas – seja pela especulação imobiliária, por falta de ação do poder público, seja pela invasão de plantas estrangeiras. A seguir, apresentamos uma perspectiva do cenário atual.

01-mapa-do-verde-sao-paulo

– 18% é o que resta de Mata Atlântica no estado de São Paulo, com as maiores frações nas serras da Cantareira e do Mar

– Ilhas de calor. A temperatura aqui varia até 14 °C nas diferentes regiões, o maior índice já registrado no mundo

– São Paulo já teve 4 mil km de rios e córregos. Hoje, menos de 400 km permanecem a céu aberto

 

Áreas com vegetação X áreas construídas

 

02-mapa-do-verde-sao-paulomapa-do-verde-sao-paulo

Na zona urbana, a taxa de impermeabilização do solo varia entre o mínimo, de 53,7%, no distrito do Jaraguá, e o máximo, de 84,3%, no Brás.

 

Mapa da região metropolitana

Continua após a publicidade

A imagem comprova a falta de trechos verdes, especialmente na região central. No extremo norte, resiste o Parque da Cantareira, e, no sul, o Parque da Serra do Mar

03-mapa-do-verde-sao-paulo

 

Desigualdade verde

Compare os índices de cobertura vegetal por habitante na cidade:

Mínimo estipulado pela Organização Mundial da Saúde (OMS): 12 m2/hab.

Centro: 0,60 m2/hab.

São Miguel Paulista: 3,01 m2/hab.

Penha: 5,84 m2/hab.

Pinheiros: 22,53 m2/hab.

 

Fontes: Atlas de uso e ocupação do solo do Município de São Paulo – Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (EMPLASA); Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica 2011 e 2012; Fundação SOS Mata Atlântica (SOSMA); Ilhas de calor nas metrópoles (Magda Adelaide Lombardo); Instituto NacionAl de Pesquisas Espaciais (Inpe); Organização Mundial da saúde (OMS); Prefeitura de São Paulo; Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (SVMA).

 

Continua após a publicidade

Publicidade