Esta casa de praia une simplicidade e praticidade

A construção deste refúgio no litoral fluminense aproveitou a implantação de duas casinhas que existiam no terreno.

Por Por Ana Mourão e Eliana Medina | Fotos: Victor Affaro Atualizado em 20 dez 2016, 19h53 - Publicado em 14 jan 2010, 14h13

Há mais de três décadas, a bióloga paulistana frequenta esta porção do litoral sul fluminense. “Desde a adolescência, é para cá que eu venho quando quero relaxar e me conectar com a natureza”, conta. Em 2004, ela, o marido e os dois filhos resolveram que era hora de ter o próprio refúgio em uma das praias da região. Assim, ao longo de dois anos, o casal garimpou um terreno até encontrar esta gleba à beira-mar, emoldurada em um trecho generoso de mata Atlântica. Eles não tiveram dúvidas: bateram o martelo.

Ao ser arrematado, o terreno já abrigava duas construções caiçaras. “Por respeito ao local, decidimos mantê-lo do jeito que encontramos”, conta a proprietária. Assim, a casa maior passou a servir de abrigo improvisado para a família. Mas, com o tempo, a falta de conforto começou a incomodar – e o casal convocou a arquiteta Íris Carneiro, que derrubou as duas construções e aproveitou a implantação para erguer apenas uma. Para chegar a esse resultado, a obra demandou organização e estratégia. O terreno está situado num lugar recôndito, cujo acesso é feito apenas pelo mar. Assim, o material primeiro vencia de caminhão a estrada de terra até uma praia próxima, onde era carregado no braço dos operários para o barco. Só então chegava à obra. “Racionalizamos ao máximo a escolha dos materiais”, conta a arquiteta. “Utilizamos madeira, que é fácil de transportar, e blocos de concreto celular para vedar as paredes, pois dispensam o uso da areia.”

O esforço valeu a pena. “Aqui é nosso santuário”, diz a proprietária.

Continua após a publicidade
Publicidade