Construir mais com menos

Ter uma casa confortável gastando pouco era o objetivo do morador -um arquiteto especialista em habitação popular

Por Redação Atualizado em 20 dez 2016, 18h52 - Publicado em 10 nov 2006, 17h15

Por que esta casa é econômica: revestimentos econômicos, projeto adaptado à topografia

Projeto e obra: Frederico Zanelato

Administração: Silvia Alves dos Santos

Estrutura: Stec Projeto de elétrica: Katel

Paisagismo: Fernando Yamasaki

Colaboradores: Marcelo Miua e Fernanda Kano

Continua após a publicidade

Um título para uma foto sem titulo

As lições de economia desta construção se apóiam numa base de conhecimento sólida. Enquanto a erguia, em Mogi das Cruzes, SP, o morador fazia seu mestrado no Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), cujo tema era a habitação popular. O arquiteto Frederico Zanelato usou no projeto de sua casa as informações obtidas no curso. Inspirado em mestres como o alemão Mies van der Rohe (1886-1969) e o brasileiro João Batista Vilanova Artigas (1915-1985), concebeu um desenho racional, de linhas geométricas puras. “O projeto bem definido e a boa administração da obra são as maiores fontes para economizar”, diz ele.

Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo O único luxo no térreo é a mesa de granito (Marmoraria Nacional), que inte... 174m²

Zanelato começou a economizar partindo de cálculos estruturais bem-feitos que o ajudaram a dimensionar e posicionar adequadamente pilares, vigas e lajes. Também estudou a topografia do terreno – em aclive com uma elevação de 9 m, considerando a rua do condomínio o nível zero. Poucos cortes foram feitos no solo, já que a inclinação foi driblada pela planta em meios-níveis. As paredes da casa levaram tijolo baiano recobertos por emboço sarrafeado e caiação (opção mais em conta, que poupa massa fina e tinta). Dentro, o piso de granilite, revestimento de preço médio, acabou saindo 25% mais barato que o usual, pois o arquiteto fechou um pacote de 200 m2 para a construção toda.

Um título para uma foto sem titulo Esta escada leva ao nível intermediário (garagem e área de serviço), ao s... Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo Um título para uma foto sem titulo No superior, há apenas uma suíte, cujo banheiro ganhou louças e metais Dec... 78m²

O solário e os 60 m2 da suíte (com hall, closet, banheiro e escritório) estão instalados respectivamente nos dois meios-níveis acima do intermediário. Nessa parte da casa, o arquiteto permitiu “pequenos luxos evidentes”. A começar pelo deck, voltado para a mata preservada do condomínio, feito de ipê – madeira de maior durabilidade. Já no banheiro, as paredes ganharam pastilhas cerâmicas e cubas que, na época, eram uma das linhas mais caras do mercado. No quarto do casal, uma mostra do equilíbrio de gastos: o arquiteto preferiu gesso, mais refinado, para dar acabamento à parede solta atrás da cama; mas a lareira é um kit simples, comprado pronto e emoldurado com concreto.

Um título para uma foto sem titulo A economia no custo geral permitiu alguns gastos extras. No solário, o deck ...

Continua após a publicidade

Publicidade