Casa sustentável privilegia luz natural e paisagem carioca

Com foco no clima local e na sustentabilidade, a designer Andreia Capellato Pett, do CasaPRO, propõe a construção de uma casa que é a cara do Rio de Janeiro

Por Alex Alcantara Atualizado em 20 dez 2016, 18h07 - Publicado em 7 abr 2014, 21h35
casa-sustentavel-privilegia-luz-natural-paisagem-carioca

Apesar da formação inicial de administração de empresas, a designer de interiores Andreia Capellato trabalhou por seis anos no escritório Athié Wohnrath, referência do setor de arquitetura corporativa, e a experiência a fez cursar Design de Interiores – área em que atua profissionalmente até hoje. Para o projeto Arquitetos do Brasil, ela escolheu uma casa localizada na cidade do Rio de Janeiro que privilegia as características locais e a sustentabilidade: a residência  utiliza água de chuva nos sanitários, vidros para entrada de luz natural, 90% de lâmpadas LED e revestimentos de fácil limpeza. “Para aproveitar a luz do sol e as paisagens cariocas, usamos vidro no lugar das paredes”, explica. A profissional ainda ressalta a importância de formar uma boa equipe para tornar possível a construção de casas arejadas e modernas como essa. “Reunimos 10 ótimas pessoas e seguimos juntos por 18 meses, quando a obra finalmente ficou pronta”. A casa, com todas as suas qualidades, ainda possui uma tendência clean e eficiente.

1. Quais são suas inspirações? Em quem você se baseia para realizar os seus projetos?

 

Eu me baseio no estilo minimalista e moderno.

2. Qual é o fator local (referente à sua região) que interfere, ou seja, icônico na arquitetura/cultura da sua localidade?

 

Nós nos beneficiamos da luz do sol e das paisagens para, no lugar de paredes, usarmos vidros.

3. O que não pode faltar na casa de um carioca?

 

Um projeto que permita a entrada de luz solar e espaço para receber os amigos.

4. Como você costuma se atualizar? Através de revistas, cursos, viagens etc.? E quais são?

Temos no Rio o Casa Shopping, voltado para decoração e estou sempre lá acompanhando as tendências. Leio também a revista CASA CLAUDIA que é muito interessante.

5. O que compensa (ou não) trazer de outras regiões do Brasil ou do mundo em questão de materiais?

 

Não costumo fazer uso de materiais de fora.

6. O que frustra e o que te estimula na sua profissão?

 

Frustra especificar itens de acabamento e o cliente querer mudar tudo. O que estimula é olhar o resultado satisfatório no final, ficar admirando o encontro dos materiais.

7. O que todo mundo pensa quando você diz que trabalha com arquitetura, mas, que, na prática, não é verdade?

Nunca passei por isso.

8. Qual foi o último livro que você leu?

Continua após a publicidade

 

Só o amor consegue, da Zíbia Gasparetto.

9. Você é a favor da reserva técnica?

 

Sim. Infelizmente é o próprio mercado que nos induz o recebimento de reserva técnica. Clientes não valorizam o trabalho de especificar e coordenar obras. Conclusão: precisamos ter um preço baixo e equilibrar os ganhos com reserva técnica, porque pode não compensar.

 

Perguntas e Respostas:

1. Niemeyer ou Lúcio Costa? Niemeyer.

2. Pudim de leite ou mousse de chocolate? Pudim de leite.

3. E o Vento Levou ou Dançando na Chuva? E o Vento Levou.

4. Chico Buarque ou Elis Regina? Elis Regina.

5. Sushi ou Pizza? Sushi.

6. Atari ou Playstation? Atari.

7. Clarice Lispector ou Caio F. Abreu? Clarice Lispector.

8. Gato ou cachorro? Cachorro.

9. Android ou iOS? iOS.

10. Paris ou Milão? Gostei mais de Paris.

 

 

perfil-casa-sustentavel-privilegia-luz-natural-paisagem-carioca

Andreia Capellato Pett tem 43 anos, é casada e mãe de dois filhos. É formada em Administração de Empresas e também em Design de Interiores, este último pela Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. Trabalhou por seis anos no Athié Wohnrath, escritório especializado em arquitetura corporativa e hoje atua na área de interiores para escritórios. Conheça mais seu trabalho:

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade