Casa própria: o check-list da compra segura

Aprenda a o bê-a-bá da vistoria em imóveis novos ou usados e acerte na hora da compra

Por Texto Flávia G. Pinho / Ilustrações Stefan Pastorek Atualizado em 20 dez 2016, 18h05 - Publicado em 23 set 2013, 19h48
destaque-documentos-necessarios-para-pedir-um-financiamento

NA PLANTA

 

• Antes de fechar negócio, pesquise o histórico da construtora em sites como o do Procon e o da Comissão de Valores Mobiliários.

• Cheque na prefeitura e no Cartório de Imóveis se o empreendimento está regular.

• Veja se a data de entrega da obra e os meses contemplados para atraso estão no contrato.

• Guarde o folheto do lançamento: ele pode ser útil no futuro, caso a empresa não cumpra o que vendeu.

• Procure saber se haverá prédios na frente do seu, principalmente se a vista for um diferencial de venda.

• Quando a obra acabar, leve o memorial descritivo e o material publicitário no dia da vistoria. Compare se o que está sendo entregue bate com o prometido.

 

NOVOS E USADOS

 

• Comece perguntando a idade do edifício ou da casa e, para saber sobre as instalações elétricas e hidráulicas, indague a respeito de manutenções recentes. “Se for preciso reformar  as redes de energia, água e esgoto do prédio, vai pesar no bolso e demorar”, alerta o engenheiro civil Marcos Penteado, de São Paulo. Ele recomenda levar um arquiteto ou engenheiro para avaliar o estado do imóvel. “Antes de comprar, identifique os problemas da casa ou do apartamento e a urgência de cada um, pois, se não forem resolvidos antes da mudança, podem custar muito caro no futuro.”

Continua após a publicidade

• Pense em morar perto dos locais aonde vai diariamente, como o trabalho e a escola dos filhos. Visite o endereço em dias e horários variados para não ser surpreendido por feiras que bloqueiam a rua ou por baladas barulhentas. Veja se as paredes barram a poluição sonora.

• Leia atentamente o memorial descritivo, pois ele detalha materiais, método de construção e acabamentos. A linguagem é rebuscada, então não se envergonhe de pedir ajuda a um amigo arquiteto ou engenheiro. O memorial é encontrado no Cartório de Registro de Imóveis.

• Verifique no site do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) a qualidade dos materiais usados na obra: www4.cidades.gov.br/pbqp-h.

• Confira a elétrica. O número de tomadas é suficiente? Se a reposta for negativa, você terá de quebrar paredes depois. Leve lâmpadas para se certificar de que os pontos de luz estão funcionando e teste as tomadas (use um carregador de celular, por exemplo).

• Em imóveis antigos, veja se o quadro de luz tem disjuntores, mais seguros que os fusíveis.

• Repare se os tacos estão abaulados – isso indica madeira verde, que empenará ainda mais com o tempo.

• Cheque o caimento das bancadas de cozinha e banheiro jogando uma bolinha de gude. O certo é que ela vá em direção à cuba. Faça o mesmo para verificar o caimento no chão de ambientes com ralos.

• Pisos quebradiços perto dos ralos indicam futuras infiltrações no contrapiso ou no vizinho de baixo.

• Para saber se portas e janelas estão de fato barrando a entrada de água e vento, observe o piso: se estiver dilatado, levantado ou úmido, será preciso melhorar a vedação.

• Procure furinhos e áreas fofas nas esquadrias de madeira, o que indica cupins e brocas.  E cheque o funcionamento de maçanetas, fechaduras e dobradiças.

• Abra as torneiras e aperte as descargas simultaneamente. Se um ponto roubar água do outro, a distribuição hidráulica não é suficiente. Ou você convive com o problema ou reforma toda a instalação.

• Abra as torneiras e veja se a primeira água sai amarelada. Isso significa que as tubulações estão enferrujadas e terão de ser substituídas.

• Nos apartamentos usados, vale a pena bater um papo com o síndico sobre o valor do condomínio, as reclamações mais comuns dos moradores, o fundo de reserva para reformas caras, entre outros assuntos.

Continua após a publicidade

Publicidade