Casa de campo chilena tem ares de loft

A casa de 70 m2 tem o toque acolhedor da madeira, um confortável terraço de 30 m2 e linhas geométricas reforçadas por pilares colocados de forma assimétrica.

Por Por Paula Riveros e Mariana Rapoport | Fotos: Fernando Gómez/surpressagency.com Atualizado em 20 dez 2016, 17h49 - Publicado em 4 fev 2010, 22h22

O executivo Cristian Biehl, desejando escapar da poluição e do barulho de Santiago, no Chile, sonhava com um refúgio contemporâneo e aconchegante nos arredores da cidade. Para tanto, contatou os arquitetos Jorge García Gutiérrez e Daniel Rojo. E o resultado é este: sem barreiras entre interior e exterior, a casa de 70 m2 tem o toque acolhedor da madeira, um confortável terraço de 30 m2 e linhas geométricas reforçadas por pilares colocados de forma assimétrica. Além disso, a planta facilita futuras ampliações. Se ficou curioso, contamos a história completa deste projeto aqui.

Escapar da poluição e do barulho de Santiago, no Chile. Esse motivo levou o jovem executivo Cristian Biehl a se retirar para os arredores da cidade. “A ideia era fazer um refúgio de solteiro”, conta. Mas, enquanto se dedicava ao planejamento, ele se casou e, pensando em ter filhos, mudou os rumos do projeto. No lugar de um quarto, encomendou dois. Além disso, definiu que a planta deveria facilitar futuras ampliações.

Quanto ao estilo, “queria uma moradia contemporânea e aconchegante como as do sul do país”. Ele chegou lá. Sem barreiras entre interior e exterior, a casa de 70 m² tem o toque acolhedor da madeira, um confortável terraço de 30 m² e linhas geométricas reforçadas por pilares colocados de forma assimétrica.

A construção juntou um time de trabalho: o proprietário e os arquitetos Jorge García Gutiérrez e Daniel Rojo, amigos de escola. Na fase final, houve a mão da moradora, Catalina, designer que aprecia decoração.

Um desafio para o trio foi o orçamento limitado, que parecia inviabilizar uma obra contemporânea e confortável. A resposta veio por intermédio da planta em forma de vagão e da estrutura de madeira. “Parece uma caixa fechada de um lado e protegida do outro pelo longo beiral”, explica Jorge. No futuro, a casa pode ser facilmente aumentada e abrigar uma família grande. “Mas, se meus filhos quiserem ficar com ela quando crescerem, construo outra para nós”, planeja Cristian. Ao longo desse tempo, a vegetação crescerá, as árvores e a grama se adaptarão ao lugar e a piscina ficará pronta. Enfim, Cristian conquistará o clima bucólico tão esperado.

Continua após a publicidade
Publicidade