Casa de 40 m² tem estrutura de bioplástico feita por impressora 3D

Arquitetos desenvolvem protótipo de moradia impressa em plástico biodegradável

Por Liège Copstein Atualizado em 20 dez 2016, 17h46 - Publicado em 15 Maio 2013, 19h37
01-casa-de-40-m2-tem-estrutura-de-bioplastico-feita-por-impressora-3d

Já se imaginou vivendo numa casa de 40 m² cuja estrutura de bioplástico saiu de uma impressora 3D do tamanho de um caminhão de pequeno porte? O estúdio londrino Softkill Design está debruçado sobre um projeto ousado que, no futuro, deve revolucionar o jeito como os arquitetos pensam e constroem as moradias. Em parceria com o laboratório de pesquisa em design da Architectural Association, o escritório bolou um protótipo conceitual, em escala 1:33, o Proto.House 1.0. impressas num polímero biodegradável (não leva petróleo como matéria-prima), as 31 peças que compõem o modelo foram edificadas sem o uso de qualquer outro componente. Graças à superfície fibrosa, os pedaços uniram-se com exatidão. “Como se fossem de velcro”, compara a designer Sophia Tang. Segundo ela, os profissionais já estão estudando a versão 2.0. Mais bem acabada e em tamanho real, empregará vários materiais, todos compatíveis com o equipamento de impressão. “Fibras proporcionalmente menores em escala darão uma aparência mais delicada à casa”, garante Sophia. Desenvolvido por intermédio de um software criado pela equipe, o projeto levou em conta um algoritmo que imita o padrão biológico de crescimento ósseo para tecer a rede de alto desempenho estrutural. Estima-se que, em 20 anos, experiências como essa democratizem o design. “O preço do personalizado e do padrão será igual”, avalia Eduardo Zancul, pesquisador da Poli-USP.

02-casa-de-40-m2-tem-estrutura-de-bioplastico-feita-por-impressora-3d

Repertório

A impressão 3D é o mais próximo que se chegará de uma lâmpada mágica, capaz de materializar objetos (de joias a aviões) sem necessidade de moldes ou produção industrial. Por enquanto, só se viabiliza para a geração de protótipos. Projetos como o do holandês Janjaap Ruijssenaars e sua Landscape House e do italiano Andrea Morgante são experiências que avançam as possibilidades dessa tecnologia no futuro.

Continua após a publicidade

Publicidade