Casa Created with Sketch.

Fazenda em ruínas se transforma em uma deliciosa casa de férias

Boa parte da estrutura foi restaurada para receber complementos de marcenaria e o novo layout, que integra o imóvel com a natureza

Quem diria que uma fazenda em ruínas iria se transformar em um verdadeiro templo de arquitetura francesa localizado na comuna de Labastide-Villefranche, no sul da França? Pois é exatamente essa a história por trás da Hourré House.

O escritório de arquitetura à frente do projeto foi o Collectif Encore, que teve o trabalho não só de restaurar o espaço que estava destruído, como também reinventar o antigo estilo rústico, com a inclusão de um design biofílico mais alegre e valorizando as paisagens naturais da área externa do local .

 (Divulgação/Casa.com.br)

Com um orçamento reduzido, os arquitetos tinham nas mãos o desafio de repaginar os 700 m² da fazenda, deixando o ambiente mais aconchegante para os moradores. A propriedade de dois andares tinha uma vantagem incomum: uma área arborizada no exterior com uma vista de tirar o fôlego.

Mãos à obra: quais reformas o projeto contemplou?

Uma das intervenções dos arquitetos no projeto foi a criação de uma entrada para incorporar a área verde. Um terraço com pé-direito duplo na parte interna da casa faz com que os pássaros descansem e a folhagem entre pelo ambiente.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Coberturas de madeira também foram expostas para que plantas do tipo trepadeiras pudessem crescer, assim, reafirmando o protagonismo da natureza no projeto.

O telhado original do celeiro foi demolido e arrastou o andar de cima para baixo, onde fica a sala de estar. Os arquitetos optaram por manter a abertura intacta para dar um ar mais florestal ao espaço, e incluíram uma rede para descanso a céu aberto no lugar de um guarda-corpo.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Já o que ficou do telhado, foi planejado de forma a preservar a saúde de todas as espécies — humanas ou não — da casa. Durante o inverno, o sol aquece os espaços ao ar livre e no verão, uma angulação do telhado impede que os raios ultravioleta sequem as plantas ou causem mal-estar aos moradores.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Todas as portas e janelas do local foram substituídas por modelos deslizantes que desaparecem quando abertos, assim, os moradores podem apreciar a vista sem dificuldade.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Outra mudança importante que os especialistas tiveram foi adaptar o ambiente para as pessoas com necessidades especiais, já que um dos membros da família é cadeirante. A medida mais impactante foi incluir rampas de madeira cercando todo o local. “Aqui, novamente, em vez de instalar um elevador, optamos pela solução econômica de rampas de madeira”, afirmam.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Os 220 m² de varanda foram convertidos em uma área de estar e jantar integrada totalmente aberta e arejada.

Um banheiro a céu aberto também foi uma das inovações que o local contemplou. Nos dias quentes e estrelados, os moradores podem tomar banho de banheira com uma vista estonteante.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Os arquitetos decidiram preservar as densas paredes de 70 cm de espessura nas cores brancas e incluíram alguns toques verdes para integrar a composição e criar harmonia com a natureza.

Uma nova função ao antigo celeiro

O antigo celeiro foi totalmente repaginado e transformado em um escritório. A extensa mesa de madeira clara acomoda até 10 pessoas e o espaço ainda conta com sofá e uma biblioteca suspensa que tomou o lugar do antigo palheiro.

 (Divulgação/Casa.com.br)

Assim como em toda a casa, o celeiro contou com a ajuda da marcenaria para dar mais de uma utilidade para os móveis.

 (Divulgação/Casa.com.br)

“Sempre criamos espaços multifuncionais”, explicam os arquitetos. “Uma escada também é um lugar para sentar, um nível para assistir o chef cozinhar, ela também pode se tornar uma prateleira, uma escrivaninha, um bar, um espaço de armazenamento de utensílios de cozinha, etc.”, exemplificam.

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.