O diário de viagem de Francesca Alzati na China

Vivas, coloridas e velozes, Pequim, Xangai e Hong Kong são um bom exemplo de crescimento rumo à modernidade, sem perder de vista a rica tradição da cultura oriental

Por Por Francesca Alzati, arquiteta Atualizado em 14 dez 2016, 12h29 - Publicado em 13 nov 2013, 21h45

 

01-o-diario-de-viagem-de-francesca-alzati-na-china 02-o-diario-de-viagem-de-francesca-alzati-na-china

 

“Decidi aproveitar a viagem à 4ª Bienal Têxtil da China e conhecer outros pontos de Pequim. Antes de embarcar, já tinha vasculhado revistas estrangeiras para conhecer a atuação dos novos arquitetos e designers chineses. Fiquei tão encantada que cheguei a mandar e-mail para alguns, parabenizando-os pelo trabalho inspirador. A mistura equilibrada do contemporâneo com o antigo impressiona. A rapidez na construção civil é surpreendente de um ano para o outro. Quadras inteiras, delineadas por belo paisagismo, nascem com um estalar de dedos. Eu vi isso acontecer! Na Cidade Vermelha, chama a atenção a arquitetura supermoderna de teatros, hotéis e arranha-céus, como o da rede de televisão local, que exibe altíssima tecnologia e convive com outros de típica tipologia chinesa. Já Xangai traz uma linda mistura de todas as culturas que por lá passaram: franceses, portugueses e também muitos ingleses. Os prédios antigos se erguem ao longo do rio Huangpu, por onde os barcos entram na cidade. Um híbrido de contemporaneidade e tradição, Xangai é viva, colorida, tecnológica. Como Pequim, cresce num ritmo vertiginoso, fruto da migração interna. Quando cheguei a Hong Kong, deparei-me com um lugar muito verde, de horizontes amplos. Templos budistas se mesclam a pontes vertiginosas, que marcam um sistema viário complexo, mas eficiente. Lá, a arquitetura busca o céu. Edifícios têm escala monumental. Em meio a tudo isso, fiquei particularmente impressionada com a Universidade de Tsinghua, em Pequim, famosa por seu investimento em pesquisa científica e tecnológica. Ao chegar, espantei-me com a grandiosidade do lugar. Parques com lagos de carpas cercam os prédios da instituição e criam uma atmosfera amigável para quem estuda e ensina ali.”

Continua após a publicidade

Publicidade