Crônica: causos sob a varanda coberta de telhas de barro

Uma laje modernista pode até ter me despertado para a arquitetura, mas a varanda coberta de telhas de barro é que traz os bons causos

Por Por Tatiana Sakurai* Ilustração Maria Eugenia Atualizado em 14 dez 2016, 11h48 - Publicado em 9 out 2014, 22h18
01-cronica-causos-sob-a-varanda-coberta-de-telhas-de-barro

Ao desligar o telefone após receber o convite para fazer este texto sobre telhados, reabasteci minha xícara com café fresco e sentei no jardim, à sombra do beiral do vizinho. Não queria escrever sobre tesouras, rufos ou outros componentes técnicos. Da minha memória brotavam apenas histórias. Cresci numa chácara no interior de São Paulo, numa casa de tijolinho à vista circundada por larga varanda. Até hoje, nos dias quentes, é onde ainda reunimos a família e os amigos para ler jornal de manhã, almoçar e balançar na rede à tarde. A lembrança mais querida vem do fim dos anos 80 até os 90, período de recessão econômica. Meus pais, com filhos e sem dinheiro para supérfluos, assim como muita gente da classe média, tiveram de se reinventar. Minha mãe dizia: “Hoje vamos jantar fora!” Isso significava montar a mesa e comer na varanda. Pode até ser que uma laje modernista em balanço tenha despertado meu fascínio pela arquitetura, mas, certamente, veio desse terraço coberto de telhas de barro o prazer afetivo de contar e escutar causos. Outro dia, mestre Totonho, meu professor prático de obras, atravessou São Paulo a fim de me socorrer da pequena cascata que surgira no andar de cima do escritório. Problema resolvido, ele ajeitou a escada e pediu para eu subir até que minha cabeça ultrapassasse o forro. Lá de baixo, explicou o sistema construtivo do antigo sobrado e, o mais surpreendente, a distribuição de cômodos, paredes e louças sanitárias antes da reforma. Naquele momento, estávamos na suíte de um jovem casal de décadas atrás. Numa dessas expedições à arqueologia do cotidiano, fui apresentada à “casa careca”. Nunca esqueci por que o endereço recém-reformado (e tão diferente da vizinhança) recebera o sugestivo apelido das crianças do bairro. Sua metade, geminada, preservava pequena e aconchegante sacada, além da cobertura de telhas cerâmicas. Ela, porém, vestira-se de branco e sumira com o convencional telhado de quatro águas por meio de uma alta platibanda. Não sei se Gregori Warchavchik (1896-1972), autor da primeira residência modernista do Brasil, acharia graça do apelido. Mas, ali, percebi que, de um lado, a construção reconhecia suas origens e, de outro, ocultava a casinha de antigamente. Sem brandir, contudo, nenhum manifesto.

 

*Tatiana Sakurai é arquiteta e professora de arquitetura e indústria na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP).

Continua após a publicidade

Publicidade