Aprenda a viver plenamente o presente e seja mais feliz

Para os cabalistas, a habilidade de focar completamente nossa atenção é chamada kavanah – e é ingrediente vital para uma vida plena.

Por Pro Dr. Edward Hoffman Tradução de Lislaine Oliveira Atualizado em 14 set 2018, 10h47 - Publicado em 1 ago 2012, 17h55
bof-kavanah_01

A palavra kavanah vem da raiz hebraica kaven, que significa “concentrar”, ou seja, focar nossa consciência sem oscilações. Originalmente, os sábios enfatizavam a importância da kavanah apenas em momentos de reza ou durante rituais. Por exemplo, o rabino Bahya Ibn Paquada – conhecido por seusinfluentes artigos sobre a ética do século 11 – comentou em sua famosa obra Deveres do Coração que, “quando alguém está envolvido em tais obrigaçõesque empregam coração e corpo, deve esvaziar-se de tudo aquilo que concerne este mundo ou o próximo e de todo e qualquer pensamento que possa distraí-lo”. Mais tarde, o médico e sábio Maimonides poeticamente proferiu: “Qual é a definição da kavanah? Significa esvaziar a mente de todos os pensamentos e imaginar-se como se estivesse diante da Presença Divina”.

Como viver plenamente o presente

 

Continua após a publicidade

Mas como podemos atingir tal objetivo? Por vezes sentimo-nos chacoalhadas de um lado para outro por pensamentos e preocupações – e focar-se nas questões mais elevadas, como as da alma, pode parecer difícil. Entretanto, essa situação não é nova dentro do contexto e ritmo acelerado da vida contemporânea, pois os cabalistas reconheceram- na há muito tempo. Para esse fim, eles ensinaram técnicas diferentes de meditação – indo desde o antigo sistema Merkabah (Trono Divino), passando pela intensa concentração nas letras do alfabeto hebraico, até cantos sagrados combinados com posturas parecidas com as da ioga. Em todos esses métodos, o objetivo final é o mesmo: fortalecer a kavanah.

 

Continua após a publicidade

Os primeiros líderes hassídicos entendiam a kavanah como algo extremamente importante. Na visão deles, ela pode ser desenvolvida por meio de qualquer atividade diária, e não necessariamente precisa envolver práticas esotéricas meditativas. De fato, a mensagem central de Baal Shem Tov – fundador do hassidismo no século 18 no Leste Europeu – é a de que a vida cotidiana nos oferece vários caminhos para a felicidade e o crescimento espiritual. Ele ensinou que quando nos dedicamos inteiramente a uma atividade que beneficia os outros, fortalecemos nossa kavanah – até mesmo por intermédio de tarefas como lavar os pratos, arrumar o jardim ou cuidar de uma criança.

O rabino Nachman de Bresolv enfatizou o aspecto da “atenção dirigida”. Ele eloquentemente observou que “nosso mundo consiste de nada além do dia e a hora em que nos encontramos. O amanhã será um mundo completamente diferente”. Em outra ocasião, ele audaciosamente afirmou: “O ontem e o amanhã não existem”.

Os cabalistas criaram muitas parábolas que ilustram a noção de que a kavanah fornece a poderosa habilidade de gerenciar os estresses da existência humana: uma maneira de obter calma em tudo o que fazemos. Há uma linda história hassídica que expressa tal convicção. Um dia, um acrobata foi até a cidade polonesa de Krasny e anunciou que cruzaria um veloz rio andando em cima de uma corda esticada de um banco do rio ao outro. O rabino Chaim Krasner – discípulo de Baal Shem Tov – permaneceu no local e assistiu à perigosa performance. Seus amigos lhe perguntaram: “Por que você está tão fascinado?”

“Eu estava pensando na habilidade do acrobata de submeter sua vida ao perigo”, disse o mestre hassídico. “Você pode pensar que ele faz isso pelo dinheiro que irá receber da multidão admirada, mas não é esse o caso. Se o acrobata pensasse dessa maneira, com certeza cairia no rio e morreria. Ao contrário disso”, comentou o rabino Krasner, “todos os seus pensamentos estão concentrados em apenas uma ideia: equilibrar-se e manter-se ereto sem espera de recompensa. De modo similar, todos nós devemos atravessar a estreita corda da vida”.

 

Continua após a publicidade

O dr. Edward Hoffman é professor de psicologia na Universidade de Yeshiva, em Nova York, e autor de vários livros já traduzidos para o português, incluindo A Sabedoria de Carl Jung (Palas Athena). Com frequência, vem ao Brasil ministrar palestras e workshops. Contato: elhoffma@yu.edu

 

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Publicidade