Casa Created with Sketch.

Earthship: a técnica arquitetônica sustentável de menor impacto ambiental

Construída a partir desta técnica, a casa feita de pneus, garrafas e terra tem 70 m² e reúne uma quantidade surpreende de soluções ecológicas

 (Reprodução/CicloVivo)

As configurações de casa dos sonhos foram atualizadas. Ao menos esta é a sensação de quem tem paixão por bioconstrução e conhece o lar de Martin Freney e Zoe.

Localizada em Adelaide, na Austrália, a residência foi construída com base no Earthship: uma técnica de arquitetura sustentável que tem como principal característica a menor geração de impacto ambiental possível.

 (Reprodução/CicloVivo)

Técnica Earthship

Criado pelo arquiteto norte-americano Mike Reynolds, o conceito de construção Earthship, para ser aplicado, deve levar em consideração as questões climáticas locais, o uso de materiais alternativos e, por vezes, reaproveitados.

As casas construídas com este método são autossuficientes e usam sistemas de baixa tecnologia. Um projeto de destaque neste sentido é a primeira escola totalmente sustentável da América Latina, construída no Uruguai.

Para Reynolds, a solução pode resolver o problema do lixo e a falta de moradias populares.

 (Reprodução/Casa.com.br)

Aplicações

Com 70 m² disponíveis, o casal na Austrália inseriu uma quantidade surpreende de soluções ecológicas baseadas no método. Instalou painéis solares no telhado, coletadores de água da chuva e também tentou tratar e reciclar a água cinza –, a água residual de processos domésticos como do banho e lavagem de roupa e louça.

 (Reprodução/CicloVivo)

Sobre este último item, o casal sofreu entraves na lei. O país exige que as águas cinzas sejam enviadas à fossa séptica. Mesmo assim, eles instalaram o sistema, que posteriormente foi removido. “Ele pode ser facilmente reinstalado se e quando as leis mudarem – e acho que eles vão, pois a mudança climática começa a bater duro aqui no sul da Austrália, o estado mais seco no continente mais seco”, explica o casal em seu site.

Quer saber mais? Então clique aqui e confira a matéria completa do CicloVivo!

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s