Este centro cultural na China foi inspirado em cubos de gelo

O design incomum mescla nove blocos arquitetônicos que se sobrepõem e são deslocados uns dos outros

Por Redação Atualizado em 12 dez 2021, 18h12 - Publicado em 15 dez 2021, 19h00
arch-exist/Designboom

Com seu volume fora de escala, o centro de turismo cultural de Xinxiang, na China, é um ícone arquitetônico do novo distrito turístico da cidade que será dedicado aos esportes de inverno. Liderado pelos arquitetos Qiang Zou e Mathieu Forest, o projeto espera criar um sólido indicador urbano que une todo o distrito e atrai visitantes locais e regionais.

arch-exist/Designboom

Esta aparência simples torna-se mais sutil e complexa à medida que nos aproximamos do edifício, graças às fachadas de vidro com muitos cristais de gelo translúcidos e emaranhados que filtram a luz e a vista do interior.

arch-exist/Designboom

“É uma questão de esconder – enquanto mostra – para provocar o mistério e a vontade de se aproximar. Os cristais de gelo capturam a luz e a devolvem. O edifício, portanto, parece emitir a luz que recebe como uma massa de gelo habitado”, afirmam os arquitetos.

arch-exist/Designboom

Veja também

Elaborando esse jogo visual, Zou e Florest moldaram o centro de forma a serem percebidos de maneiras diferentes de acordo com cada ângulo de descoberta.

arch-exist/Designboom

Da rua comercial para o oeste, o cubo superior se desloca para o lado, em balanço 34 m acima do solo para marcar o final da perspectiva. Do sul, a composição é mais equilibrada para combinar com o ambiente calmo do lago. Ao norte, os cubos aproximam-se formando um desnível vertical de 34 m que convida o visitante a entrar no centro. O cubo superior, mais transparente por natureza e suspenso no céu, abriga um lugar de contemplação e relaxamento.

Continua após a publicidade

arch-exist/Designboom

A equipe percebeu com sucesso essa qualidade sobrenatural graças a uma escolha única de material: painéis de vidro impressos formam as fachadas, enquanto cabos de aço inoxidável e conexões unem os painéis – criando um design mínimo que evoca fragilidade e solidez.

arch-exist/Designboom

Além disso, os painéis de vidro também convertem o centro em uma arquitetura de luz. As fachadas translúcidas captam com eficácia a iluminação natural em todas as suas variedades – de acordo com a hora do dia, as estações e o clima. Às vezes branco brilhante sob o sol, nebuloso sob tempo nublado, ou até mesmo geado sob certas luzes, o edifício parece mudar sua aparência continuamente com o tempo.

arch-exist/Designboom

Por outro lado, ao colaborar com a empresa de iluminação PROL, o centro de turismo cultural de Xinxiang se transforma em um farol que parece se erguer acima dos prédios ao redor.

arch-exist/Designboom

“À noite, as fachadas são totalmente iluminadas e clareiam os arredores. O edifício irradia um brilho uniforme que chama a atenção de forma irresistível e impede uma visão direta do interior”, compartilha a equipe.

*Via Designboom

Continua após a publicidade

Publicidade