Casa Created with Sketch.

Descubra a incrível arquitetura do Nordeste da África

Projeto do Sub-Saharan Africa Architectural Guide pretende ser um guia completo para a arquitetura nos países africanos que ficam ao sul do Saara

Apesar do crescente interesse pela África, o ambiente construído do continente ainda é pouco conhecido em muitas partes do mundo. Por isso, Philipp Meuser e Adil Dalbai organizaram uma coletânea com sete volumes, o Guia de Arquitetura da África Subsaariana, que constituem a primeira visão geral abrangente da arquitetura ao sul do Saara que faz jus à riqueza de edifícios da região. Em 49 capítulos, cada um enfocando um país, textos ricamente ilustrados por mais de 350 autores da África e de todo o mundo se reúnem para produzir uma obra superlativa.

 (Reprodução/dezeen)

Com base em 850 edifícios selecionados e mais de 200 artigos temáticos, a cultura de construção do continente é elucidada e contextualizada. As diversas contribuições pintam um quadro multifacetado da arquitetura da África no século XXI, uma disciplina moldada por raízes tradicionais e coloniais, bem como pelas interconexões e desafios globais de hoje. Um volume introdutório sobre a história e teoria da arquitetura africana fornece conhecimentos básicos essenciais.

Veja a seguir 7 projetos selecionados por Meuser, do quarto volume da publicação, sobre a África Oriental, com imagens do Sahel ao Chifre da África, e enfoque a arquitetura do Chade, Sudão, Sudão do Sul, Eritreia, Djibuti, Etiópia e Somália.

Chad | N’Djamena Grand Hotel, N’Djamena, por TAU⁄Roberto Sechi, Luca Compri

 (Luca Compri/dezeen)

O N’Djamena Grand Hotel faz parte de um complexo arquitetônico projetado para hospedar grandes eventos políticos. Está situado no centro da cidade de N’Djamena, com vista para o Rio Chari. O edifício é caracterizado pela sua estrutura palaciana e pela sua forma retangular.

A fachada deste edifício do hotel mostra claramente a influência árabe na arquitetura chadiana. Os padrões repetitivos da fachada dão ao edifício uma grandiosidade que muitas mesquitas modernas dificilmente podem igualar.

No total, são oito níveis. No rés-do-chão encontra-se o átrio (pé-direito duplo), o restaurante, a cafetaria, a sala de reuniões e todos os gabinetes administrativos. Os 187 quartos ocupam os restantes pisos e têm tamanhos variados: quanto maior o número do piso, maiores e mais luxuosos os quartos se tornam, terminando com as suítes executivas de luxo no piso superior.

Sudão | Mesquita de Al-Nilein, Morada, por Gamar Eldowla Abdelgadir

 (Ibrahim Z Bahreldin/dezeen)

A mesquita de Al-Nilein fica perto da confluência dos dois Nilos, voltada para o oeste no Nilo Branco. Era um projeto de graduação de Gamar Eldowla Abdelgadir, um dos alunos de arquitetura da Universidade de Cartum em meados da década de 1970.

O projeto compreende três componentes: a mesquita, a biblioteca e o espaço para atividades comunitárias. Com a forma de uma concha gigante, a cúpula geodésica do edifício principal abriga uma grande sala sem colunas, onde as paredes são continuamente conectadas através do teto curvo.

A forma desta mesquita quase se assemelha a um macaroon de coco (biscoitinho de coco) – mesmo que os muçulmanos estritamente devotos não gostem de ouvir isso. Mas do ponto de vista arquitetônico, é uma verdadeira obra-prima.

Sudão do Sul | Aeroporto Internacional de Juba, Juba, por China Communications Construction Company

 (Hanming Huang/dezeen)

Após o Acordo de Paz Global (CPA) de 2005 e o estabelecimento do governo autônomo do Sul do Sudão, a construção de um novo aeroporto moderno foi iniciada em 2009, mas foi marcada por sucessivas falhas, que levaram ao desperdício de grandes somas de dinheiro público.

Um terminal inacabado permanece nesse estado e foi abandonado. Um novo terminal com dois halls foi erguido ao lado e foi finalmente inaugurado em outubro de 2018.

O aeroporto não pode ser fotografado por razões de segurança. Do ponto de vista arquitetônico, dificilmente vale a pena uma foto também.

O que é interessante aqui novamente é que a China também estendeu sua influência para o Sudão do Sul e tomou o pequeno estado da África sob suas asas como parte de sua rede de comércio global.

Eritrea | Estação de serviço Fiat Tagliero, Asmara, por Giuseppe Petazzi

 (Katharina Paulweber/dezeen)

A estação de serviço Fiat Tagliero é provavelmente o edifício mais notável em Asmara e talvez um dos melhores exemplos de arquitetura futurista na África e no mundo.

Giuseppe Pettazzi projetou o edifício para se assemelhar à forma aerodinâmica e dinâmica de um avião e traduziu o espírito modernista de sua época em um manifesto de construção. Suas asas de concreto em balanço têm um vão de 30 metros e ficam suspensas sem sustentação acima do nível da rua.

A arquitetura colonial do século XX é uma lembrança de um capítulo inglório na história europeu-africana. Está ligado ao racismo e à exploração. Não é diferente na Eritreia.

Mas os ocupantes italianos deixaram para trás um patrimônio arquitetônico único no mundo. Quase se poderia pensar que os arquitetos foram mais criativos na África do que em sua terra natal europeia.

Djibouti | Catedral de Djibouti, Djibouti, por Joseph Müller

 (Philipp Meuser/dezeen)

Uma obra-prima da arquitetura! Um cubo transparente, uma composição bem-sucedida da entrada e uma fachada de conchas que parece quase mais mística do que a Palavra de Deus – nenhuma igreja pode ser construída melhor!

A Catedral de Nossa Senhora do Bom Pastor (Cathédrale Notre-Dame du Bon-Pasteur de Djibouti) foi construída no local de uma igreja anterior, Sainte-Jeanne-d’Arc. O bispo de Djibouti na época, Henri Hoffmann, apoiou a construção, e a igreja católica foi consagrada em janeiro de 1964.

O arquiteto da igreja, Joseph Müller (1906–1992), que desenhou os projetos gratuitamente, adquiriu o apelido de Kirchenmüller pelos muitos edifícios religiosos que projetou em sua casa na França e no exterior, dos anos 1940 aos 1960.

Etiópia | Mercado Lideta, Addis Ababa, por Vilalta Architects⁄Xavier Vilalta

 (Jennifer Tobolla/dezeen)

Outro edifício místico que trabalha com a encenação da luz em formato de cubo. Mas este não é um edifício sagrado, é um templo de compras!

O Mercado Lideta em Addis Abeba é um edifício de 14.200 metros quadrados com vários andares projetado por Xavier Vilalta para uma competição em 2010. Ele está localizado em uma área que foi reconstruída no âmbito do programa habitacional do governo.

Os edifícios circundantes definem um bairro denso e animado. O projeto é um volume retangular simples com um vazio interior esculpido que cria um átrio inclinado, que oferece uma qualidade espacial para um layout de mercado tradicional.

O edifício é cercado por uma fachada de concreto perfurado, que permite a ventilação natural e a entrada de luz. O padrão da fachada é inspirado nas roupas tradicionais da Etiópia e torna o edifício um marco na área.

Somalia | Binocularsi, Mogadishu, por Carlo Enrico Rava

 (Heimo Liendl/dezeen)

A herança colonial italiana na Somália é menos preservada do que na Eritreia. E o Arco do Triunfo é mais irritante do que uma reminiscência de um patrimônio arquitetônico de importância mundial.

Mas a guerra civil preservou poucos monumentos arquitetônicos. Assim, mesmo uma relíquia quase destruída dos ocupantes italianos pode se tornar parte de uma nova identidade nacional.

Este arco triunfal foi projetado pelo arquiteto italiano Carlo Enrico Rava e realizado pela empresa Ciccotti para celebrar a visita do rei Vittorio Emanuele III a Mogadíscio em dezembro de 1934. Fica à beira-mar perto da seção alfandegária do antigo porto, em uma praça anteriormente conhecida como Piazza 21 de abril. O arco é formado por torres gêmeas arredondadas, unidas ao meio – daí o nome Binóculos.

Via dezeen

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.