Casa italiana é erguida a partir das ruínas de um moinho

Passado e presente se unem neste projeto híbrido

Por Silvia Gomez Atualizado em 9 set 2021, 12h53 - Publicado em 31 Maio 2017, 16h04

Original do século 16, o complexo com construções de pedra de rio e tijolo funcionou como moinho até meados dos anos 60, abrigando também uma casa e uma área de depósito e armazém agrícola no terreno em Terenzano, vilarejo em Pozzuolo del Friuli, na província de Udine, Itália.

As partes novas e as originais convivem lado a lado no conjunto arquitetônico, com um total de 670 m². No topo, todas ganharam a mesma cobertura de placas de aço com recheio isolante termoacústico. Divulgação/Massimo Failutti

Finalizado em 2014, o processo de restauro para uso residencial e galeria de arte durou cinco anos e atualizou sobretudo a estrutura de madeira, que deu lugar a travamentos, vigas e pilares de aço. Na cobertura, entraram painéis metálicos do tipo sanduíche.

Com 50 m², o espaço de exposições exibe a monumentalidade do pé-dreito original, com 9 m de altura. Mantidas à mostra, colunas e vigas de aço constituem o novo esqueleto acrescido à construção. O aspecto industrial faz contraponto às paredes antigas de pedra e ao piso inacabado, de cimento. Divulgação/Massimo Failutti

A preciosa história do lugar é evidenciada pelo encontro entre novo e antigo visto em vários trechos da fachada e ainda no interior. “Mantivemos os muros de pedra e as lajotas do piso”, conta o arquiteto italiano Aldo Peressa, autor da obra.

Aqui, vê-se o bloco voltado para o jardim, anexo residencial erguido para os proprietários. De linhas retas, ele inclui fechamento de vidro em caixilhos de alumínio pintado e acabamento de OSB com ripas da madeira lariço russo. Divulgação/Massimo Failutti
Continua após a publicidade

Publicidade