A cidade e a arquiteta Paola Viganò

“O centro urbano tem de ser confortável, inclusivo e acessível a todos”, diz a especialista

Por Carine Savietto e Cristiane Teixeira Atualizado em 9 set 2021, 13h03 - Publicado em 27 abr 2017, 20h03

Arquiteta e urbanista italiana, Paola Viganò é autora dos planos diretores de cidades europeias como Siena, Bérgamo e Antuérpia. Quinta entrevistada da série de mulheres a tratarem sobre urbanismo, ela comenta a função do arquiteto em relação aos centros urbanos e a importância da identificação dos habitantes com o espaço.

Siena, Itália Reprodução/www.italia.it

O que guia os seus trabalhos?
Falar em erguer mais muros é uma metáfora do que o mundo está virando, com as cidades cada vez mais fechadas em si. Eu busco o oposto disso: maleabilidade, integração, coletividade, ideias resumidas pelo conceito de porosidade. O papel do arquiteto é desenhar os poros da cidade – isso envolve criar mais parques e locais de lazer. Também implica pensar em aberturas em um edifício privado ou um museu, por exemplo. Significa manter uma certa comunicação entre o que está dentro e o que está fora.

O espaço importa?
Quando alguém se reconhece em um ambiente, sente que faz parte de algo. Consequentemente, estabelece uma relação de responsabilidade e cuidado com esse lugar.

Continua após a publicidade

Publicidade