Projeto SmartLab quer levar tecnologia para dentro das salas de aula

O objetivo é criar espaços que incentivem o aluno a aprender de modo colaborativo e a empreender

Por Gabriela Fachin Atualizado em 14 dez 2016, 12h42 - Publicado em 2 dez 2015, 12h54

O SmartLab propõe a criação de salas de aula tecnológicas nas escolas para incentivar o aluno a empreender e não apenas a se preparar para um carreira convencional. O designer Kiko Sobrino, escolhido pelo grupo espanhol Santillana para a realização do SmartLab no Brasil, apresentou o projeto essa semana na sede do Google, em São Paulo.

1- smart lab

O objetivo do projeto é criar um envolvimento maior do aluno em sala de aula e incentivá-lo a aprender de modo colaborativo. Para isso, faz uso de tecnologias, conteúdos interativos e com linguagem de games, que façam os estudantes de 6 a 17 anos terem prazer em adquirir conhecimento e permanecer mais tempo na escola. “O intuito é criar startups reais, e não virtuais. Usar a tecnologia para uma conexão pessoal e real”, explica Kiko.

2- smart lab

A expectativa é que escolas em todo o Brasil tenham espaços SmartLab nos próximos anos, não só em salas de aula, mas também em bibliotecas e outros ambientes escolares. O SmartLab contemplará inicialmente as cidades de São Paulo, Campinas e região, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Salvador, Recife e Fortaleza.

Continua após a publicidade

Publicidade