Adriana Yazbek assina cozinha vermelha, verde, rosa e roxa

A mais almodovariana entre as colegas da sua geração,  a arquiteta e designer Adriana Yazbek imprime seu toque multicolorido a quase tudo que cria

Por Reportagem visual Carolina Diniz | Fotos Zé Gabriel Atualizado em 19 jan 2017, 13h44 - Publicado em 9 out 2013, 20h14
01-adriana-yazbek-assina-cozinha-vermelha-verde-rosa-e-roxa

Ela pode até tentar, mas provavelmente não vai se conter. Para Adriana Yazbek, a vida – assim como o trabalho – faz mais sentido sob a égide de nuances saturadas e tons vibrantes. Praticamente tudo que sai do ateliê mantido por ela em São Paulo tem esse aspecto lúdico, considerado um trunfo da profissional que projeta luminárias, objetos, interiores, além de arquitetura de tipologia variada. Acostumada a lembrar que preto e branco não são cores, ela não se furtou ao exercício de colorimetria radical ao planejar esta cozinha. Sobre a carta branca recebida de sua cliente, Adriana provou que rosa, vermelho, roxo, verde e amarelo podem combinar sim, desde que realçados por uma boa dose de luz natural, sem a qual as cores fortes ficariam com aspecto pesado. Confira a seleção de acabamentos.

02-adriana-yazbek-assina-cozinha-vermelha-verde-rosa-e-roxa

1. Superfície de quartzo Silestone, própria para compor bancadas, na versão Magenta energy. À venda na Pólo Mármores por R$ 1200 o m².

2.Ladrilho hidráulico (20 x 20 cm), modelo 2019a, da Dalle Piagge. Produzido com duas cores, sai por R$ 162 o m².

Continua após a publicidade

3. Formica Standard (0,8 mm de espessura), no tom Vermelho Cardeal. A chapa de 3,08 x 1,25 m vale R$ 105 na Única Laminados.

4. No tom amarelo, a mistura pronta (com adição de polímeros) que imita cimento queimado da Ladrilar custa R$ 28 por m².

 

03-adriana-yazbek-assina-cozinha-vermelha-verde-rosa-e-roxa

Nada menos do que magenta, o tampo do gabinete ajuda na transição entre o roxo do ladrilho e o vermelhão que reveste os móveis. Ponto de partida do projeto, oladrilho hidráulico carrega as cores roxo e verde. Sucesso nos anos 70, o laminado vermelho (aqui, em versão fosca) cobre os armários feitos pela LN Marcenaria, que trazem furinhos em vez de puxadores. No piso, o cimento queimado feito na obra com pigmento amarelo forma a base clara e contrastante diante da qual sobressaem os outros acabamentos.

Continua após a publicidade

Publicidade