A casa é de 1929, mas o ateliê com pergolado no jardim é novo em folha

O anexo de 20 m² foi construído sem descaracterizar a casa original

Por Reportagem Eliana Medina (visual) e Lara Muniz (texto) | Design Júlia Blumenschein | Fotos Gabriel Arantes | Ilustração Fabio Flaks Atualizado em 19 jan 2017, 13h24 - Publicado em 10 ago 2012, 20h02

Em 1929, quando a casa da família da designer e artesã Eliete dos Santos Melo (acima) foi erguida, a região de Perdizes, na zona oeste de São Paulo, consistia em pequenas propriedades rurais, como chácaras e sítios. “Meu avô foi o primeiro morador da residência, que passou por uma única reforma, em 1951”, conta Eliete, membro da terceira geração a viver ali. A herança sentimental despertou receio na hora de construir este anexo de 20 m², um ateliê onde ela se dedica ao trabalho com joias e cerâmicas, ocupação que se confunde com passatempo. “Me preocupei em não descaracterizar a casa”, recorda. Em dois meses, a estrutura de madeira proposta pelo arquiteto Victor Oliveira, da ODVO Arquitetura e Urbanismo, permitiu a integração do novo espaço com o jardim e o restante da construção, mantendo o ar de antigamente.

Publicidade